Como se preparar para um furacão

Saiba o que deve fazer para se proteger caso o local onde vive ou passa férias seja atingido por um furacão

Ser apanhado no meio de um furacão, como o Irma, é muito perigoso e pode ser mortal, caso não sejam tomadas as devidas precauções. Durante o temporal podem ocorrer ventos fortes - só no furacão Irma já foram registadas rajadas de vento superiores a 360 quilómetros por hora -, trovoadas, tornados e inundações.

Portugal, localizado em latitudes médias, está longe destes fenómenos que se formam em latitudes tropicais, com exceção das ilhas dos Açores, que por vezes são atingidas por furacões transformados em tempestades extra tropicais. Ainda assim, frequentemente os portugueses são apanhados no meio destas tempestades quando estão de férias em países mais vulneráveis a esta intempérie.

Se é turista ou residente numa área que vai ser atingida por um furacão, saiba como deve agir para se proteger melhor.

Abastecer

É muito importante ter produtos básicos para sobreviver durante alguns dias. Prepare com antecedência comida e água suficientes para pelo menos três dias - sete dias é o ideal -, tendo em conta as necessidades alimentares de cada membro da família. Pense especialmente nas crianças e nas pessoas com problemas de saúde.

A comida dos animais de estimação também não pode ser esquecida, explica um comunicado com conselhos das autoridades do estado norte-americano de Massachusetts.

Deve também ter um kit de emergência, que inclua medicamentos, repelente de mosquitos e álcool desinfetante. Não se esqueça de ter produtos de higiene íntima armazenados.

Como é possível que fique sem eletricidade durante dias, prepare lanternas e um rádio a pilhas, carregue aparelhos eletrónicos, nomeadamente bateria extra para telemóvel. Anote também o número de telefone dos contactos mais importantes.

O ideal é ter uma mochila pronta com estes itens, para o caso de ter de abandonar o local onde está, e o carro abastecido.

Preparar a casa

Se vai ficar dentro de casa, prepare-a para a chegada do furacão. Reforce as janelas e portas e afaste objetos perigosos que possam cair e ferir alguém quando os ventos fortes chegarem.

Tenha um plano de evacuação, caso seja necessário sair rapidamente, e um plano para os animais de estimação. Segundo as autoridades norte-americanas, por vezes as pessoas dizem que não querem sair porque não sabem o que fazer com os seus animais.

Se não estiver numa área propensa a inundações, fique no andar de baixo da casa.

Mesmo que perceba que a tempestade acalmou, não saia de casa, pois pode ser simplesmente o olho do furacão a passar por cima do local.

Lembre-se ainda de ajudar os vizinhos como puder.

Deve também ver quais são as condições do seu seguro, pois pode precisar de ativá-lo para cobrir os danos à casa ou ao carro.

Evacuação

As ordens de evacuação das autoridades devem ser respeitadas, como o governador da Florida, Rick Scott, realçou esta quarta-feira, enquanto este estado norte-americano está a ser evacuado por prevenção. "Não consigo realçar o suficiente: Não ignorem as ordens de evacuação", disse o governador numa conferência de imprensa, segundo o New York Post. "Podemos reconstruir as vossas casas, mas não podemos reconstruir as vossas vidas. Levem o necessário, mas só o necessário".

Se as autoridades locais ordenarem que a área seja evacuada, saia imediatamente e siga apenas os caminhos autorizados. Vá num carro que tenha uma boa quantidade de combustível e leve apenas o indispensável, como telemóvel, medicamentos, documentos de identificação e dinheiro vivo. Tenha uma mochila pronta com os itens básicos para conseguir aguentar 48 horas.

Caso tenha tempo, desligue todos os aparelhos eletrónicos que tem em casa, o gás, a eletricidade e a água, para minimizar possíveis danos à casa.

O que devem fazer os turistas

Não se esqueça de que quando vai passar férias deve deixar o contacto junto da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas. Um comunicado no Portal das Comunidades Portuguesas explica ainda que os turistas portugueses devem seguir "escrupulosamente as orientações das autoridades locais" e evitar deslocações desnecessárias para fora dos locais de confinamento e dos hotéis onde estão alojados.

Os turistas também devem tentar preparar-se o melhor possível, armazenando comida, água e outros produtos de primeira necessidade. Em caso de evacuação, os turistas são obrigados a saírem dos hotéis e dos locais onde estão alojados. Tal como os residentes, devem ir para os abrigos providenciados pelas autoridades.

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, Pedro Costa Ferreira, afirmou esta quarta-feira que "sempre que se espera um furacão é normal agruparem-se turistas em unidades hoteleiras que estão mais seguras".

Se tem uma viagem marcada para um local que está ou vai ser atingido por um furacão deve entrar em contacto com a companhia aérea e pedir que alterem o seu bilhete. Deve fazer o mesmo em relação à estadia, entrando em contacto com o hotel.

A companhia aérea TAP informou que se vão registar constrangimentos nos voos de e para Miami nos dias 9, 10 e 11 de setembro na sequência da passagem do furacão Irma. No comunicado publicado na internet, a TAP colocou a opção de alterar as reservas das viagens.

De acordo com as condições das reservas, a TAP permite a alteração de datas de viagens, embora não seja esclarecido se é cobrado algum valor extra por esta mudança. Permite ainda que o itinerário da viagem seja alterado, até 24 horas após ser feita a reserva.

Em caso de emergência, os turistas portugueses devem entrar em contacto com o Gabinete de Emergência Consular, através do número (00351) 21 792 97 14.

Segundo o Centro Nacional de Furacões de Estados Unidos, o furacão Irma deixou hoje para trás a ilha de Porto Rico e ameaça agora a República Dominicana com ventos até 290 quilómetros por hora. Durante o dia de ontem, foram detetadas rajadas de vento que ultrapassaram os 360 quilómetros por hora.

O Irma causou até ao momento pelo menos dez mortos e 23 feridos na parte francesa da ilha de Saint-Martin, nas Antilhas Pequenas. A ilha de Barbuda ficou "totalmente devastada" após a passagem do furacão.

Exclusivos