Como eles tornaram visível o vírus que não se vê

É um diário da covid-19, tem a assinatura de 87 fotógrafos portugueses e mais de 500 imagens.

Nesse fatídico março de 2020, Miguel Lopes e Gonçalo Borges Dias, dois experientes fotojornalistas, aperceberam-se da tempestade que estava a formar-se em Portugal e no Mundo. Pela primeira vez, todos, em todos os lados, iríamos confinar, para enfrentar um inimigo que nenhum de nós pode ver. Esses dois fotojornalistas criaram o projeto "Everyday Covid - Diários fotográficos em estado de emergência" e, com ele, tornaram visíveis os danos provocados por esse inimigo invisível.

Miguel Lopes explica que tudo começou por brincadeira num grupo de fotógrafos e fotojornalistas no WhatsApp._Ao todo, seriam mais de meia centena. Decidiu, então, lançar-lhes um repto: que contribuíssem, com os seus testemunhos fotográficos, para a página de Instagram entretanto criada. Nenhum esperava o que rapidamente aconteceu: uma adesão massiva.

"Chegámos a ser 119 fotógrafos a publicar imagens._Alguns publicavam uma fotografia, dois minutos depois tentavam colocar outra e o Instagram não aguentava, ia abaixo. Era preciso organizar as fotos para conseguir o máximo de qualidade", acrescenta.

Mais de 20 mil seguidores

Para gerir a afluência e o caos, criaram um conjunto de regras e formaram uma equipa de responsáveis constituída por oito fotógrafos: André Dias Nobre, Ângelo Lucas, Gonçalo Borges Dias, Gonçalo Delgado, João Pedro Almeida, Miguel A. Lopes, Rui Soares e Rui Miguel Pedrosa. A este grupo coube editar as centenas de fotos que recebiam diariamente. "Todas as noites, no Zoom, gastámos horas a discutir as fotos. Como somos todos muito diferentes, às vezes ficávamos mais de uma hora a discutir só uma imagem", lembra. O coletivo conquistou mais de 20 mil seguidores durante o primeiro confinamento.

"Recebemos dezenas de mensagens todos os dias. Houve um dia em que começaram a restringir a mobilidade entre concelhos, houve uma operação stop numa ponte e as pessoas ficaram muito irritadas. Nesse dia, publicámos uma fotografia do Rui Duarte Silva, um senhor numa cama de hospital. E, de repente, tudo se tornou visível. As pessoas perceberam que estava mesmo a acontecer, apesar de o vírus ser invisível, de não dar para cheirar e de os mortos não estarem caídos no meio da rua", sublinha Miguel Lopes. "Este projeto é um documento histórico, para que os meus filhos, daqui a dez anos, possam perceber o que aconteceu", continua.

Aurora Diogo, coordenadora, percebeu rapidamente o potencial do projeto. Foi assim que, pouco depois, e por sugestão de Ângelo Lucas, foi criado um suporte não efémero: um livro. "Era ponto assente que esse livro não podia ter patrocinadores nem marcas envolvidas", conta Aurora Diogo. Então, foi pedido o alto patrocínio da Presidência da República. Marcelo Rebelo de Sousa escreveu o prefácio. "A partir daí, o trabalho foi o de contactar as autarquias para comprarem, por antecipação o livro". Já está presente em mais de 70 bibliotecas municipais e disponível para venda online. As receitas revertem para uma ação social direta dos fotógrafos. Nenhum profissional envolvido neste projeto foi pago por isso. Aliás, nota Miguel Lopes, "muitos viviam situações precárias e ficaram sem trabalho durante o primeiro confinamento".

Everyday Covid tem edição para invisuais

O livro "Everyday Covid - Diários fotográficos em estado de emergência", uma edição de autor, possui um caderno em braille e um QR Code que permite aos invisuais ouvirem a legenda de cada imagem. "Queríamos que o livro fosse o mais inclusivo possível. Daí incluirmos também esta possibilidade", reforça Miguel Lopes. Assim, as mais de 500 imagens abrem as janelas e os olhos de todos.

catarinaferreira@jn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG