Chumbo e fósforo poluem o Tejo

Análises encontraram demasiados metais pesados nas albufeiras mais próximas da fronteira. Pode ser um problema de saúde pública

As análises feitas no último ano pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) às águas do rio Tejo revelam elevadíssimos níveis de fósforo, mas também vários resultados acima dos valores limite para a qualidade das águas no que se refere a substâncias perigosas prioritárias como o cádmio e chumbo.

Os dados fornecidos à TSF pela APA resumem os vários problemas do Tejo desde que entra em Portugal até Valada, no distrito de Santarém.

Para além do fósforo que com frequência apresenta valores duas a três vezes acima do limite previsto na legislação, o ponto mais preocupante para ambientalistas e engenheiros está nos metais pesados que surgem em algumas análises.

Segundo a APA, que não avança os valores concretos das medições, o cádmio ultrapassou a chamada norma de qualidade em quatro das cerca de dez análises (uma por mês) feitas desde março de 2016 na Albufeira do Fratel, a primeira barragem portuguesa (nas análises de julho, outubro, novembro e dezembro).

Exclusivos