Caracol da Penha vai ter jardim e Carnide um polidesportivo

Orçamento Participativo de Lisboa mobilizou mais de 51 mil votos.

A criação de um jardim no Caracol da Penha e de um pavilhão desportivo na freguesia de Carnide são dois dos 17 projetos vencedores do Orçamento Participativo de Lisboa (OP), que mobilizou mais de 51 mil votos.

O vereador da Relação com o Munícipe, Jorge Máximo, disse à Lusa que "os principais projetos vencedores foram um jardim na Penha de França, o Jardim do Caracol da Penha, e um pavilhão em Carnide para a prática de desportos".

A cada um destes projetos caberão 500 mil euros, uma vez que se integram na categoria de projetos estruturantes.

O Jardim do Caracol da Penha (freguesias de Penha de França e Arroios) contabilizou 9.477 votos, enquanto a "missão pavilhão Carnide" teve um total de 8.666 votações.

Para o espaço do Caracol da Penha, está prevista a construção de um parque de estacionamento com 86 lugares (em duas plataformas), a cargo da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), mas os moradores da zona entregaram na Assembleia Municipal uma petição com vista a que o espaço seja de fruição.

Este "facto novo" irá "obrigar a que a Câmara, junto com as juntas de freguesia locais, tente perceber exatamente a forma de implementar este projeto em agrado de toda a gente", considerou Jorge Máximo.

Quanto à votação, o vereador apontou que a edição deste ano contou ao todo com mais 9 mil votos face ao anterior recorde de votação, o que constitui um aumento de 22%.

Para o vereador, isto "mostra que o OP é uma ferramenta cada vez mais procurada pelas pessoas para darem ideias para a cidade".

"O Orçamento Participativo mostrou que está vivo", vincou o responsável municipal, acrescentando que, apesar disso, ainda "tem algumas coisas que merecem ser pensadas e melhoradas".

Ainda assim, Jorge Máximo salientou que, "acima de tudo, é um excelente barómetro da governação, excelente barómetro daquilo que as pessoas desejam", constituindo-se como um "ativo importante no processo de participação da cidade".

Já os restantes 15 projetos vencedores foram de âmbito local, contando "grande equidade em termos territoriais", observou Jorge Máximo.

Entre os projetos vencedores nesta categoria, incluem-se dois parques caninos (nas freguesias de São Vicente e Ajuda), uma plataforma 'online' contra o ruído, rede gratuita de internet sem fios em Campo de Ourique, melhoria de acessibilidades e a criação de espaços verdes nas freguesias do Lumiar e Campolide.

Os votantes elegeram ainda uma ligação pedonal aérea entre os dois jardins do Campo Grande, um parque intergeracional na Ajuda, um parque infantil em Marvila, a realização de oficinas comunitárias da memória na Penha de França e a construção de coberturas para EB1/JI Manuel Teixeira Gomes, também em Marvila.

Dos 182 projetos a votação, 106 entravam na categoria de estruturantes e 76 eram de âmbito local.

Na divisão por locais, 11 pertenciam à zona do centro histórico, 17 à zona centro, 23 à zona norte, oito à zona ocidental e 17 à zona oriental da cidade.

Dos 2,5 milhões de euros disponibilizados pela Câmara Municipal de Lisboa para esta nona edição do OP, o vereador afirmou que "ainda sobraram 30 mil euros", verba que será "canalizada para outro investimento".

Exclusivos