Cabo da GNR condenado por interferir em fiscalização para ajudar amigo

O arguido foi condenado a uma multa por abuso de poder

O Tribunal de Vagos condenou um cabo da GNR ao pagamento de uma multa de 1.870 euros por ter utilizado abusivamente uma viatura da Guarda e interferido numa ação de fiscalização, comunicou hoje a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

De acordo com informação publicada na página da internet da PGD do Porto, os factos ocorreram no dia 11 de janeiro de 2014.

O tribunal considerou provado que o arguido, ao saber que um seu amigo se encontrava a ser fiscalizado e iria ser submetido ao teste quantitativo de despistagem de álcool no sangue no posto da GNR de Vagos, determinou a dois guardas da GNR que o acompanhassem a este posto na viatura de serviço da GNR, refere a PGD do Porto.

Foi igualmente dado como provado que já neste posto, "o arguido procurou condicionar a referida fiscalização, com o objetivo de a impedir".

A decisão judicial, proferida no Tribunal de Vagos, condenou o militar na pena de 170 dias de multa, à taxa diária de 11 euros, pela prática de um crime de abuso de poder.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG