Barco sem tripulantes afunda-se no Porto da Nazaré

A embarcação estava atracada no porto. A capitania afastou suspeitas de crime

As causas do afundamento de uma embarcação de pesca atracada no Porto da Nazaré estão a ser investigadas pela seguradora do armador, mas a Capitania do Porto afastou hoje qualquer suspeita de crime.

"Não foram identificados quaisquer indícios de crime, mas as causas estão a ser averiguadas pela seguradora do armador, sendo que, para já, tudo aponta para uma zona do casco que começou a meter água", disse hoje à agência Lusa o comandante da Capitania do Porto da Nazaré, Lourenço Gorricha.

Em causa está o afundamento da embarcação de pesca Costeira "Falcão Peregrino", na sexta-feira, dia 13, quando se encontrava atracada junto à primeira ponte do cais do Porto da Nazaré.

Segundo os esclarecimentos prestados pelo armador ao comandante do Porto, "o barco entrou no Porto na quinta-feira sendo suposto ali permanecer todo o fim de semana", mas pelas 20:10 de sexta-feira a capitania foi alertada de que a embarcação, de 15 metros, "se encontrava praticamente submersa".

Uma informação verificada pelo Piquete da Polícia Marítima, que confirmou que a embarcação, registada no Porto de Vila do Conde, não tinha tripulantes a bordo, efetuou um perímetro de segurança e tomou medidas para prevenir uma eventual poluição por hidrocarbonetos.

"Verificou-se não haver muito combustível no depósito e os respiradouros foram logo cantonados pelo que nunca houve qualquer perigo", revelou o Lourenço Gorricha, acrescentando que, por precaução, "foi também pedido a outra embarcação que se encontrava atracada nas proximidades que se deslocasse para outra zona a fim de evitar quaisquer danos".

As operações de reflutuação decorreram na segunda e na terça-feira, realizadas por uma empresa de mergulhadores especializada (Amora Sub) que, segundo a Autoridade Marítima Nacional, colocou "diversos equipamentos insufláveis (balões, boias, etc.) em torno de toda a embarcação", permitindo trazê-la à superfície.

Já à superfície, a embarcação foi inspecionada e iniciaram-se os preparativos para ser rebocada para a zona do estaleiro naval, onde foi colocado a seco às 18:40 de terça-feira, depois de ter sido rebocada pela embarcação de pesca "Pérola da Nazaré e pela embarcação "SR-31" da Estação Salva-vidas do Instituto de Socorros a Náufragos da Nazaré, refere um comunicado da Marinha.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG