Avatares nos cartazes em vez do rosto das mulheres candidatas

Autoridades argelinas ordenaram aos partidos que substituíssem as silhuetas brancas, envolvidas em hijabs

O governo argelino ordenou aos partidos políticos que mostrassem os rostos das suas candidatas nos cartazes, em vez de avatares em branco que estavam a ser exibidos. A situação foi detetada na província de Bordi Bou Arreridi, onde, no âmbito da campanha eleitora que decorre, as candidatas femininas não apareciam nos cartazes, mas sim em forma de silhueta de hijabs em torno de espaços em branco ao lado fotos de candidatos do sexo masculino.
Segundo conta a BBC, na terça-feira, as autoridades eleitorais deram às partes dois dias para exibir fotos ou seriam retiradas da votação. "Este tipo de invasão é perigosa, é ilegal e contraria todas as leis e tradições", disse Hassan Noui da Alta Autoridade Independente para Monitorização Eleitoral (HIISE).
"Todo o cidadão tem direito de saber em quem vai votar", sublinhou. Este responsável informou que pelo menos cinco partidos, incluindo a Frente das Forças Socialistas (FFS), não mostraram as caras das candidatas em cartazes.
Uma candidata, Fatma Tirbakh, do partido da Frente Nacional para a Justiça Social na província oriental de Ouargla, apareceu como um avatar feminino em branco na Ennahar TV para discutir a questão.
"A minha foto é importante, acredito, mas eu venho de uma região do sul. Honestamente falando, é extremamente conservadora ... é por isso que minha própria foto não é usada", disse ela.
"Com toda a honestidade, a família obrigou-me a não mostrar minha foto na TV, mas não têm problema com o meu rosto num cartaz", disse ela.
No entanto, ninguém na sua família teve problemas com o facto de ela trabalhar como política, representando as pessoas no parlamento, acrescentou Fatma.
Os partidos são obrigados a terem candidatas femininos ao abrigo de uma lei de 2012 que exige que as mulheres representem entre 20% e 50% dos candidatos nas listas eleitorais.
O oficial da FFS, Hassen Ferli, responsabilizou a equipa de comunicação do partido em Bordj Bou Arreridj pelos cartazes "lamentáveis".
"O FFS condena vigorosamente esta prática que é incompatível com os valores do partido", disse ele em um comunicado divulgado na imprensa local.
O partido está comprometido com a igualdade entre homens e mulheres, disse o comunicado.
A Argélia não é o único país no qual as mulheres candidatas ao parlamento tiveram seus rostos escondidos em cartazes eleitorais. Nas eleições parlamentares egípcias de 2011/2012, os partidos salafistas usaram a imagem de uma flor em vez das fotos reais das candidatas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG