Austrália acredita que destroços do MH370 serão encontrados até julho

O avião da Malaysia Airlines desapareceu a 8 de março de 2014, quando voava entre Kuala Lumpur e Pequim

O chefe da autoridade australiana que lidera as buscas pelo avião com o código de voo MH370, no Oceano Índico, afirmou hoje que considera "muito provável" encontrar destroços antes de julho, quando termina a atual operação.

Esta missão, em que também participam a Malásia e a China, deve terminar em junho o rastreio de uma área de 120 mil quilómetros quadrados numa zona remota do Índico, estando por analisar aproximadamente 30 mil quilómetros quadrados.

"Cobrimos cerca de três quartos da área de busca e não encontrámos rastro do aparelho, o que aumenta a probabilidade de que esteja onde ainda não procurámos", disse o comissário-chefe do Departamento de Segurança dos Transportes da Austrália, Martin Dolan.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu a 08 de março de 2014, quando estabelecia a rota entre Kuala Lumpur e Pequim, com 239 pessoas a bordo.

Na semana passada,, foi encontrada uma peça de um avião em Moçambique que pode estar relacionada com o Boeing 777 da Malaysia Airlines desaparecido há dois anos.

A peça será entregue a peritos malaios para análises laboratoriais completas.

Das análises preliminares à peça, encontrada por um turista norte-americano no banco de areia de Palumo, perto de Vilanculos, no sul de Moçambique, "ainda é muito cedo para se tirar qualquer conclusão", disse à Lusa o presidente do Instituto de Aviação Civil de Moçambique (IACM), João Abreu.

O presidente do IACM considerou igualmente não fazer sentido iniciar buscas por mais vestígios na costa de Moçambique, "sem informações exatas sobre aquela peça".

Uma associação de familiares dos passageiros desaparecidos no voo MH370 pediu na quinta-feira que sejam iniciadas buscas exaustivas na costa da África oriental, depois da descoberta em Moçambique.

Embora alertando para a necessidade de confirmação, o ministro dos Transportes malaio, Liow Tiong Lai, disse na quarta-feira que informações iniciais apontavam para uma "grande possibilidade" de o objeto pertencer a um Boeing 777.

Este é o mesmo modelo do voo MH370.

O ministro dos Transportes australiano, Darren Chester, afirmou por seu lado que o objeto "vai ser transferido para a Austrália, onde será examinado".

Chester acrescentou que a localização da descoberta do fragmento é consistente com os modelos de correntes oceânicas usados pelas autoridades australianas que efetuam as buscas pelo MH370.

No passado mês de julho, um fragmento de uma asa de avião foi encontrado na Reunião, a leste de Madagáscar, o único vestígio confirmado do avião da Malaysia Airlines descoberto até ao momento.

A 08 de março de 2014, o aparelho desviou-se da rota por razões desconhecidas.

O local do acidente nunca foi identificado.

Exclusivos