Câmara do Porto aprova disponibilização gratuita de 100 mil testes de antigénio

Rui Moreira revelou ter falado com a ministra da Saúde, Marta Temido, que considerou a medida "excelente", uma vez que complementaria o que está a ser feito pelo Serviço Nacional de Saúde e pelas farmácias portuguesas.

Lusa
© Leonel de Castro/Global Imagens

O executivo da Câmara do Porto aprovou esta segunda-feira, por unanimidade, a disponibilização gratuita de 100 mil testes de antigénio à população até ao final do ano, estando previsto que a testagem fique disponível a partir de terça-feira.

Questionado pelo vereador do Bloco de Esquerda, Sérgio Aires, sobre o valor de um milhão de euros para a compra dos testes de antigénio, o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, disse que o valor estimado foi de 10 euros por cada um.

Considerando que a medida de obrigatoriedade de testes à covid-19 "não foi acautelada", o autarca disse ter falado com a Associação de Comerciantes do Porto e com a Associação de Bares e Discotecas da Movida do Porto, tendo tido conhecimento que "há iniciativas que vão culminar".

Rui Moreira revelou ainda ter falado com a ministra da Saúde, Marta Temido, que considerou a medida "excelente", uma vez que complementaria o que está a ser feito pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) e pelas farmácias portuguesas.

"Se aprovarem esta medida, os testes ficam disponíveis a partir de amanhã [terça-feira]", revelou o autarca, lembrando que terça-feira é véspera de feriado e que nesse mesmo dia há um jogo de futebol da Liga dos Campeões no Estádio do Dragão.

O independente disse também não ter prolongado a medida até ao próximo ano porque, ao tratar-se de um encargo plurianual, teria de ser votado pela Assembleia Municipal do Porto, o que prolongaria a disponibilização dos testes aos cidadãos.

Também a vereadora da Educação, Juventude e Desporto da Câmara do Porto, Catarina Araújo, esclareceu já terem sido feitas "consultas preliminares ao mercado".

"Atendendo à urgência, o que fizemos foi consultas a quem nos podia prestar este serviço. A formalização dos contratos aguarda a deliberação, no sentido de podermos avançar", observou.