832 novos casos de covid-19 e seis mortes nas últimas 24 horas

Há agora 299 internados, dos quais 60 estão em unidades de cuidados intensivos, indicam os dados do relatório diário da DGS.

Portugal registou, em 24 horas, 832 novos casos de covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Relatório desta terça-feira (19 de outubro) dá conta de mais seis mortes associadas à infeção pelo novo coronavírus.

Dados mostram que há agora 299 internados, menos 13 que no dia de ontem, dos quais 60 estão em unidades de cuidados intensivos (menos dois).

No que diz respeito a regiões, Lisboa e Vale do Tejo contabilizou 317 novas infeções e três mortos, sendo que o Norte contabilizou 251 novos casos e dois óbitos.

A outra vítima mortal foi registada no Centro, que teve ainda 169 novos casos de covid-19. O Algarve somou 41 casos, o Alentejo registou 32, a Madeira ficou pelos 14 e os Açores contabilizou oito novas infeções.

Portugal soma, ao dia de hoje, 30 021 casos ativos da doença, indica ainda o boletim da DGS, numa altura em o índice de transmissibilidade do SARS-CoV-2, denominado R(t), está acima de 1, segundo a última atualização.

Casos na faixa etária que vai dos 20 aos 29 anos aumentam R(t)

Ouvido pelo DN, o epidemiologista Carlos Antunes diz que aumento do R(t) se deve aos jovens e que os casos na faixa etária que vai dos 20 aos 29 anos não podem passar para os idosos. Só assim se conseguirá mitigar o risco das cadeias de transmissão.

Segundo o especialista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que integra a equipa que faz a modelação da doença desde o início da pandemia, o aumento do R(t) "não é alarmante", mas é um sinal.

"Se conseguirmos vacinar a população acima dos 65 anos com a terceira dose o mais depressa possível, podemos mitigar o risco", considera.

Filipe Froes, pneumologista e coordenador do Gabinete de Crise para a Covid-19 da Ordem dos Médicos, concorda que este aumento "é um sinal de que é preciso vacinar rapidamente os mais de 2,2 milhões de pessoas acima dos 65 anos, que são a população mais vulnerável".

Pandemia já matou mais de 4,9 milhões de pessoas em todo o mundo

Ainda no que se refere à evolução da pandemia, a covid-19 é responsável por pelo menos 4 902 638 pessoas em todo o mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um balanço realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

Mais de 241 039 700 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 726 201 mortes para 45 051 076 casos, de acordo com o levantamento mais recente realizado pela Universidade Johns Hopkins.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG