32 crianças assistidas. Ansiedade pode estar na origem dos sintomas

Alunos da Escola Básica Rei D. Manuel I, em Alcochete, queixaram-se de tonturas e dificuldades respiratórias

O delegado de saúde afirmou hoje que não existe "consistência na ligação dos sintomas" das crianças da escola Básica El Rei D. Manuel I, em Alcochete, referindo que a ansiedade poderá ser a causa da maioria das queixas.

"Um ou algumas crianças poderiam ter alguma virose mas não há consistência na ligação dos sintomas entre elas. Acreditamos que a ansiedade e algum pânico podem estar na origem das queixas", disse à Lusa Mário Durval.

O delegado de saúde explicou que foram analisadas as fontes alimentares e a água foi testada, não existindo nada que aponte para uma causa.

"Não foi possível apurar nenhuma causa, nem nenhuma explicação. Até os próprios sintomas não tinham nada de relevante, pois eram dores de cabeça e de barriga. Depois de algumas se queixarem, tudo o que se gerou depois, pode ter levado outras a queixarem-se também", referiu.

Mário Durval explicou que as crianças que foram transportadas ao hospital do Barreiro tiveram todas alta e que nenhuma ficou internada na unidade hospitalar.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Alcochete, José Martins, indicou à Lusa que 32 crianças, entre os 10 e os 13 anos, da Escola Básica El Rei D. Manuel I tiveram na quarta-feira de receber assistência, após queixas de dores de cabeça e barriga, com cinco a serem transportadas para o hospital do Barreiro, por precaução, uma vez que se encontravam engripadas.

As queixas começaram numa criança e estenderam-se a outras, com o comandante a explicar que nem todas as crianças frequentavam as mesmas salas da escola, nem almoçaram a mesma refeição.

Contactada pela Lusa, fonte do hospital do Barreiro disse que "nenhuma criança ficou internada".

"Estavam todas clinicamente estáveis, foram observadas e tiveram alta durante o dia de ontem (quarta-feira)", acrescentou.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.