101 reclusos e 36 guardas prisionais infetados. Surtos em via de resolução

De acordo com a DGRSP, a taxa de cobertura vacinal dos trabalhadores é de 87,96%, enquanto a dos reclusos é de 92,42% e a dos jovens internados em Centros Educativos é de 88,42%.

Um total de 101 reclusos são atualmente casos confirmados de covid-19, havendo ainda registar 42 casos ativos entre trabalhadores da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), incluindo 36 guardas prisionais, informou esta quinta-feira a DGRSP.

Em resposta à agência Lusa, a DGRSP refere que no universo de 11.400 reclusos registam-se 101 casos ativos, sendo o número de casos clinicamente recuperados de 1.142.

Quanto aos trabalhadores da DGRSP, existem, de momento, 42 casos ativos, repartidos por 36 guardas prisionais, um profissional de saúde e 5 outros funcionários. O número de trabalhadores da DGRSP clinicamente recuperados atinge os 670.

A DGRSP menciona ainda que atualmente há dois surtos de covid-19 em vias de resolução, um no Estabelecimento Prisional de Alcoentre envolvendo 11 reclusos e outro no Estabelecimento Prisional de Coimbra, atingindo 60 reclusos de uma única ala.

"Conforme o protocolado nos planos de contingência da DGRSP, os reclusos positivos, embora assintomáticos, encontram-se sob vigilância clínica nos espaços Covid do Estabelecimento Prisional do Porto e do Hospital Prisional de São João de Deus em Caxias, sendo que os primeiros reclusos que acusaram positivo nestes dois surtos estão a guardar alta clínica", esclarece a DGRSP.

De acordo com a DGRSP, a taxa de cobertura vacinal dos trabalhadores é de 87,96%, enquanto a dos reclusos é de 92,42% e a dos jovens internados em Centros Educativos é de 88,42%.

A informação prestada pela DGRSP indica ainda que até ao momento foram realizados 56.157 testes (PCR e rápidos), resultantes de rastreios na sequência de casos suspeitos ou casos confirmados, protocolo entre DGRSP/INEM/INSA para profissionais dos Estabelecimentos Prisionais, protocolo entre DGRSP/INEM/INSA para reclusos entrados e em quarentena e testes aos internados no Hospital Prisional São João de Deus.

Questionado pela Lusa sobre as medidas de contingência em que irá decorrer o Natal nas prisões, a DGRSP responde que "no que se refere às festividades de Natal, estas não devem ter convidados externos, devendo ser organizadas apenas com as pessoas das respetivas unidades orgânicas".

O universo da DGRSP abrange cerca de 20 mil pessoas entre trabalhadores, reclusos e jovens internados em Centros Educativos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG