Um quarto dos alunos matriculados no 12.º ano já chumbaram

Alunos terminam mais tarde o secundário do que a média da OCDE. Fundação Francisco Manuel dos Santos está a debater o tema.

Os alunos portugueses demoram mais tempo a concluir o ensino secundário do que a maioria dos seus colegas nos outros países europeus. Isto deve-se à elevada taxa de retenção que atravessa o ensino básico e secundário. Os dados mais recentes revelam que 24% dos alunos que chegam ao 10.º ano já chumbaram antes e 7% deles mais do que uma vez. A mesma percentagem de alunos (24%) chega, por isso, ao 12.º ano com 18 ou mais anos, quando a idade padrão para iniciar este ano é 17.

Este problema do sistema de ensino português é sublinhado por Margaret Raymond bem como as suas "implicações preocupantes para o futuro económico, cultural e cívico de Portugal." A investigadora do Centro de Investigação em Resultados Educativos, da Universidade de Stanford, nos EUA, foi convidada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) para fazer um estudo sobre a criação de um sistema de garantia do desempenho educativo, que vai ser apresentado hoje, no âmbito do mês da Educação promovido pela fundação.

Para haver melhorias no desempenho escolar português, a investigadora defende que é preciso uma comunicação e um acesso a dados fidedignos, de forma a responsabilizar os intervenientes da Educação pelo desempenho. Acrescentando que podem ser feitos mais exames ou testes durante a escolaridade dos alunos, mas também os professores e diretores têm de ter metas profissionais. "A expansão do programa de testes de modo a abranger dois anos em cada ciclo de ensino daria aos professores, administradores, pais e responsáveis políticos uma visão mais clara acerca da eficácia das escolas. As avaliações precisam de rigor, profundidade e coerência", lê-se no documento, citado pela Lusa.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.