Tráfego nas autoestradas da Brisa cai 14% em 2012

O tráfego nas autoestradas da Brisa caiu 14% em 2012, quando comparado com o período homólogo, o que levou a uma redução de 11% nas receitas de portagem, para os 469 milhões de euros.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Brisa explicou que o tráfego rodoviário registou uma "quebra significativa", tendo o tráfego consolidado decrescido 13,7% face ao valor registado em 2011, atribuindo essa queda nas concessões nacionais à "recessão económica".

Esta redução no tráfego teve "um forte impacto nas receitas de portagem", que, no último ano, diminuíram 11% para os 469 milhões de euros.

O tráfego da concessão Brisa (BCR) decresceu 13,7%, tendo a concessão, a que correspondeu uma quebra de 10,5% nas receitas, enquanto a concessão Atlântico registou uma variação negativa de 12,7%, mas de apenas menos 0,6% nas respetivas receitas de portagem.

Em contrapartida, a concessão NWP nos Estados Unidos registou um aumento de tráfego de 5,5% e de 0,3% nas receitas.

No último ano, os proveitos operacionais consolidados atingiram os 590,8 milhões de euros, representando um decréscimo de 10,7% face a 2011.

Segundo a empresa, "a crise soberana da dívida na zona euro e as políticas de austeridade adotadas por Portugal, no âmbito do programa de ajustamento da economia portuguesa acordadas com a 'troika', conduziram a uma quebra do consumo e a um aumento do desemprego com óbvios impactos no modelo de negócio da Brisa".