Secretário de Estado abdica de subsídio, mas mantém que era legal

Carlos Martins recebia 360 euros por ter residência a mais de 150 km de Lisboa, mas vive em Cascais

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, prescindiu do subsídio de alojamento que estava a receber desde que tomou posse por ter indicado como residência permanente a sua casa de Tavira. O governante mantém, no entanto, "a absoluta consciência da legalidade da atribuição do subsídio de alojamento".

A decisão surgiu ontem depois de vários pedidos de esclarecimento e até de demissão, uma vez que o governante admitiu receber o subsídio, embora não viva na casa declarada. Depois de o Expresso ter avançado com a informação, Carlos Martins referiu ao DN, na segunda-feira, que não iria prescindir da verba, autorizada pelo primeiro-ministro, António Costa.

No entanto, depois de o Bloco de Esquerda (BE) ter pedido esclarecimentos e deputados como Duarte Marques terem pedido a sua demissão já que este não tinha ainda abdicado do valor extra que recebia por ter indicado viver a mais de 150 quilómetros de Lisboa.

Depois do anúncio de que prescindia da verba de 360 euros, os partidos com assento parlamentar - com exceção do CDS-PP que não quis comentar o caso - consideraram que a questão estava esclarecida. Com o PSD, através do deputado Simão Ribeiro, a acrescentar que "mais vale tarde do que nunca vir emendar a mão".

No esclarecimento, enviado às redações, onde Carlos Martins anuncia que prescinde do subsídio de alojamento é divulgada uma cronologia dos acontecimentos que levaram o governante a pedir o subsídio, por ter residência permanente em Tavira. A compra da casa no Algarve esteve relacionada com a nomeação de Carlos Martins para presidente das Águas do Algarve em julho de 2015, altura em que, refere o documento, passou "a residir permanentemente no Algarve". A negociação para o empréstimo da casa começou em setembro e a 9 de novembro o secretário de Estado altera a sua morada fiscal e residência permanente para Santa Luzia, Tavira. Nesse mesmo mês alterou os dados do Cartão do Cidadão e da Carta de Condução para essa mesma morada.

É convidado para o governo a 24 de novembro e toma posse dois dias depois, "altura em que passa a utilizar a casa em Murches, Cascais", ou seja, a cerca de 20 quilómetros de Lisboa, e logo sem direito a ter subsídio. No entanto, esclarece o mesmo documento, quando tomou posse, Carlos Martins passou a "auferir o subsídio de alojamento, ao qual tem inequivocamente direito uma vez que a sua residência permanente é em Tavira".

Agora, vai prescindir do subsídio já que "este injusto caso se alastra e com o objetivo de preservar a minha imagem, o bem-estar dos meus, e a normalidade do funcionamento do Ministério do Ambiente". Acabando assim com a questão para BE ,PCP e PSD que consideram que o assunto ficou esclarecido.

Mas a atitude de abdicar do valor não é suficiente para calar todos os críticos. Duarte Marques, deputado do PSD, criticou o facto de "só depois de ser forçado é que o secretário de Estado prescinde", considerando "inacreditável que continue a afirmar que tem direito ao subsídio". Por nunca ter pedido tal apoio - apesar de ser membro da Assembleia Municipal de Mação (de onde é natural) e de residir em Lisboa -, Duarte Marques defende que "o mínimo" que Carlos Martins devia fazer "era reconhecer que isto não é correto". Apesar de num texto publicado na sua página do Facebook ter pedido a demissão do secretário de Estado, depois do anúncio de que este iria prescindir da verba, Duarte Marques referiu que "essa resposta deve agora ser dada pelo ministro".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG