Secretária de Estado sobre Carlos Alexandre: "É um homem resistente, apesar de estar mais magro"

Helena Mesquita Ribeiro dedicou alguns cumprimentos inspirados a figuras no setor da Justiça, presentes no congresso da Associação Sindical de Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da PJ, que está a decorrer em Braga

A secretária de estado da Justiça elogiou a "resistência" do juiz Carlos Alexandre, que tem estado à frente de alguns dos processos mais complexos e mediáticos, como a operação Marquês, que tem como principal arguido o ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates. "Vexa. tem feito um trabalho persistente, é uma pessoa trabalhadora e se ainda está onde está, lidando com situações tão complicadas, é porque faz um trabalho competente", sublinhou Helena Mesquita Ribeiro no congresso da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da PJ, que decorre em Braga.
Na fase de cumprimentos, antes da sua intervenção, a governante, com algum sentido de humor, afirmou que era um trabalho "duro e difícil" mas que Carlos Alexandre era "um homem resistente, apesar de estar mais magro". "Se calhar até significa que está mais animado. Gordura não é sinal de felicidade", afiançou.

O presidente do Sindicato dos Funcionários da Justiça, Fernando Jorge, também mereceu a atenção da secretária de Estado, numa apreciação mais "condimentada": "um sindicalista de alto gabarito, consciente dos problemas da sua classe profissional e que, embora seja às vezes um bocadinho vinagrento na maneira como expõe as suas pretensões, nos momentos certos sabe distinguir o trigo do joio".

Sem esquecer as "instalações miseráveis" onde está localizada a delegação da PJ em Braga, desafiou o vice-presidente da câmara municipal do PSD, Firmino Marques, também presente, a ajudar o governo a encontrar uma solução.

Garantiu que o executivo de que faz parte, especialmente a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, "tudo fará para que a PJ tenha os meios necessários para poder combater com a inteligência e sabedoria que vos caracteriza, aquilo que são as ameaças à segurança do país".

Aos inspetores e inspetoras presentes fez um apelo direto: "por maiores que sejam as dificuldades, por mais pequenos que sejam os meios que temos, não devemos nunca desistir. Tenham orgulho de pertencer a esta tão importante organização, ainda que por vezes saltando para outras organizações onde têm remuneração acrescida. Mas o dinheiro não é tudo na vida", frisou, recordando que "o país não é dotado de grandes recursos" e que "a gestão pública tem que ser parcimoniosa".

Helena Mesquita Ribeiro assinalou que a PJ "é uma policia de elite, aquela que as pessoas confia para os proteger de acontecimentos graves que podem por em causa a vida de muitas pessoas e podem por em causa aquilo que é galinha dos ovos de ouro para que a nossa economia crescer, que é o turismo um dos pilares fundamentais, por ser um pais tranquilo e seguro".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG