Rumo às autárquicas contra PSD, CDS e... PS!

O líder comunista anunciou que o partido vai concorrer a todas as câmaras do país. O BE não está na lista de adversários

As eleições autárquicas de 2017 estão em primeiro plano nos próximos objetivos de "luta" política do PCP. "Posições conjuntas", como a que suporta o governo socialista, não estão previstas, a avaliar pelas palavras do secretário-geral, Jerónimo de Sousa, no discurso de abertura do XX Congresso do partido, que
decorre entre hoje e domingo em Almada. O PCP atribui "importância relevante» e Jerónimo confirma que os comunistas vão concorrer a todo o país.

PSD, CDS e PS são os adversários do partido, que se apresenta como "alternativa de gestão" e um "projeto com provas dadas, assentes no trabalho, na honestidade e na competência". O BE não é referido como adversário a afastar, possivelmente porque os bloquistas perderam a única câmara municipal que presidiam - Salvaterra de Magos - nas eleições de 2013.

De seguida, assinalou Jerónimo, "outras batalhas se seguirão para o Parlamento Europeu e Assembleia da República", as quais serão "uma oportunidade para o reforço desta grande luta pela concretização no País de uma alternativa patriótica de esquerda". O secretário-geral acredita que "a luta pela alternativa" é o único caminho "capaz de responder às exigências de desenvolvimento e soberania nacional. Sem rutura com a política que imperou durante décadas não há solução para os problemas de fundo que permanecem no País". Essa rutura tem uma condição: "o alargamento da frente social de luta, o envolvimento da classe operária, dos trabalhadores, a participação massiva de todas as classes e camadas antimonopolistas, também elas atingidas nas suas aspirações e direitos".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.