PSD critica Governo por "passar ideia" de que ano escolar arrancou sem problemas

Deputado social-democrata afirmou que a realidade comprova que "há problemas e são graves"

O deputado social-democrata Amadeu Albergaria criticou hoje o Ministério da Educação por "tentar passar a ideia de que o novo ano letivo começou sem problemas", quando "a realidade demonstra que há problemas e são graves".

Em declarações à Lusa, no âmbito de uma visita que deputados social-democratas realizaram esta manhã ao agrupamento de escolas de Pedrouços, na Maia, distrito do Porto, Amadeu Albergaria afirmou que na EB2,3 daquele agrupamento a "falta de assistentes operacionais levou ao encerramento da unidade de autismo na sexta-feira".

Trata-se de "uma escola inserida num contexto socioeconómico desfavorável, que conta ainda com um centro de recursos para alunos com necessidades especiais e faltam cinco assistentes operacionais", disse, acrescentando que, para "um correto funcionamento", serão ainda precisos mais dois.

O social-democrata considerou que esta situação é "muitíssimo grave" e é "de uma insensibilidade extraordinária" por parte do Ministério.

Questionado sobre se a contratação de 300 funcionários anunciada recentemente pelo Governo abrange este agrupamento, Amadeu Albergaria respondeu que a autorização governativa não representa "novos funcionários", mas apenas visa "colmatar saídas".

O deputado referiu ainda que esta escola sofreu um corte de 11 mil euros no seu orçamento, o que já a obrigou a pedir um plano de pagamentos faseados à empresa da luz".

"A nós, compete-nos identificar [problemas] e alertar a quem de direito", frisou, lembrando ainda que o PSD já apresentou um requerimento para chamar "de urgência" o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, ao parlamento para o confrontar com os problemas, que existem "um pouco por todo o país".

"Esta é uma escola que prova que existem problemas e que as coisas não estão bem, como quer fazer passar o Ministério", sustentou.

A Lusa contactou o Ministério da Educação mas não obteve resposta até ao princípio da tarde.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG