"PS sente-se envergonhado" com casos como de Manuel Pinho e ainda mais com o de Sócrates

"A confirmar-se é uma situação incompreensível e lamentável", diz Carlos César. Em relação a Sócrates a vergonha "até é maior"

O líder parlamentar do PS, Carlos César, afirma que o partido "sente-se envergonhado" em relação ao ex-ministro Manuel Pinho, caso sejam confirmadas as suspeitas de que é alvo.

"O Partido Socialista sente-se, como os partidos, a confirmar-se o que é dito, envergonhado", diz Carlos César no programa "Almoços Grátis", da TSF. "A confirmar-se é uma situação incompreensível e lamentável", considera

Aos microfones da rádio, Carlos César refere que o caso "tem de ser esclarecido e punido" até porque não há razão para não avaliar o caso Manuel Pinho como já se avaliaram "os casos de vários ministros e responsáveis que na banca ou na política que tiveram comportamentos desviantes, irregulares ou até de alçada criminal."

Segundo Carlos César "é através de uma Comissão de Inquérito" que "melhor se poderá resolver este assunto".

O socialista refere, no entanto, que o caso de Manuel Pinho não irá ter espaço de discussão no congresso do partido, que se realiza entre os dias 25 e 27 deste mês.

O caso que envolve o ex-ministro da Economia foi noticiado, a 19 de abril, pelo jornal online Observador, segundo o qual há suspeitas de Manuel Pinho ter recebido, entre 2006 e 2012, cerca de um milhão de euros.

Caso José Sócrates

Questionado se, a confirmarem-se as suspeitas que recaem sobre José Sócrates, a vergonha é a mesma, o líder parlamentar do PS admite que a vergonha "até é maior", uma vez que se trata de um antigo primeiro-ministro.

À TSF revela que estes casos são discutidos nas reuniões internas do partido. "Ficamos até enraivecidos com isto", em especial com "pessoas que se aproveitam dos partidos políticos" e têm "comportamentos desta dimensão e desta natureza". "Evidentemente que ficamos revoltados com tudo isso, como outros certamente terão ficado", afirma Carlos César.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.