Professores, diretores e pais querem fim do atual 2.º ciclo

Consolidar. Ideia de criar um 1.º ciclo mais longo, até ao 6.º ano, reúne consenso de vários setores e cores políticas. Mas exige tempo

Introduzido em 1973,pelo ministro Veiga Simão - numa das reformas educativas mais importantes da história de Portugal - o 2.º ciclo de escolaridade (na altura chamava-se ciclo preparatório) pode ter deixado de fazer sentido. É esta a convicção de pais, professores, diretores escolares e de ex-ministros, como David Justino, que concordam ter chegado a altura de repensar a forma como se organizam os 12 anos que constituem a escolaridade obrigatória.

O chamado modelo de 6+6, criando um 1.º ciclo alargado até ao 6.º ano e um "novo" 2.º ciclo, do atual 7.º ao 12.º ano, estará em discussão este sábado na quarta Convenção Nacional da Federação Nacional de Educação (FNE), Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP) e Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP). E o objetivo assumido por todos é fazer sair do encontro uma proposta que possa ser analisada, não só pela atual equipa do Ministério da Educação, como por toda a sociedade e partidos.

"Isto poderá trazer vantagens para o processo de ensino e aprendizagem, não é uma ideia peregrina nossa". Há países onde as coisas já são assim", diz ao DN Filinto Lima, da ANDAEP, admitindo que este é um tema que obriga a um "consenso alargado" para poder ser passado à prática. "É um assunto muito sério. Mexe com a estrutura, os alicerces da educação", admite.

Uma das possíveis vantagens, admite, é a redução do impacto negativo que, dizem as estatísticas, muitos alunos sentem quando passam para o 5.º ano. "Não só em termos de insucesso. Mesmo em termos disciplinares, é no quinto 5.º ano que há maior incidência de problemas, ao contrário do que sucede nos anos seguintes", explica. "Hoje temos um 2.º ciclo, um 5.º e 6.º ano, perdido entre o 1.º ciclo e o 3.º ciclo. E os próprios professores reconhecem isso", diz.

"Neste momento faz todo o sentido repensar o 2.º ciclo", subscreve Jorge Ascensão, da CONFAP. "Na altura, foi criado para alargar a escolaridade obrigatória até ao 6.º ano mas hoje, para dar maior coerência entre percursos curriculares, faria sentido rever a organização dos ciclos".

Fazê-lo implica rever a Lei de bases do Sistema Educativo. E o representante das associações de pais acredita que esta é uma boa altura para se dar esse passo: "Pelo menos a junção com 2.º ciclo com o 1.º ciclo talvez fosse viável", defende. É preciso mais, avisa: "Rever todo o programa curricular, ainda que se dê um passo de cada vez".

João Dias da SIlva, da FNE, lembra que "há muito tempo" que as formações de professores "são articuladasde 1.º e 2.º ciclo", pelo que não seria necessária uma revolução nos cursos de educação para implementar o modelo: "Seriam necessárias adaptações, um período de transição, tendo em conta que houve professores que fizeram opção mais pelo 1.º ciclo e outros que optaram mais pelo 2.º ciclo".

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) não participa da convenção. Mas também não afasta a ideia alimentar esta discussão: "Pensamos que se calhar tem sentido, num quadro global de reflexão sobre o sistema, os currículos. Temos o sistema que já está organizado desta forma há quase meio século", lembra Mário Nogueira. "Não é por ser há muito tempo que está mal. Mas há realidades presentes noutros países que não são essas. O facto de o 1.º ciclo ser de apenas quatro anos, numa fase em que os alunos têm ritmos de aprendizagem ainda muito distintos, pode ser um obstáculo a que todos atinjam os objetivos", diz, avisando no entanto que os progressos passam sobretudo por aspetos como "ter mais apoios para alunos com dificuldades de aprendizagem".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG