Porto avalia descontos iguais aos praticados Lisboa

Rio Moreira quer saber impacto de medidas como desconto de 60% nos passes para maiores de 65 anos e títulos gratuitos para crianças até aos 12 anos

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, revelou hoje que pretende pedir à Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) uma avaliação ao impacto da eventual aplicação de descontos para crianças e seniores idênticos aos de Lisboa.

Em causa está o "desconto de 60% nos passes para maiores de 65 anos" e títulos gratuitos para crianças até aos 12 anos, que a CDU reclamava para o Porto numa proposta que não chegou a ser votada hoje em sessão camarária devido a dúvidas sobre se a decisão foi do Governo (como alegava a vereadora comunista) ou da autarquia lisboeta.

Rui Moreira assumiu então o compromisso de esclarecer a questão numa reunião que o ministro do Ambiente vai ter na STCP a 02 de janeiro, altura em que já deve "estar empossada o novo conselho de administração" da empresa que vai ser gerida pelos municípios onde opera (Porto, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Maia, Valongo e Gondomar).

"A STCP vai ter um novo Conselho de Administração (CA) a partir de janeiro. Sugiro esperar para que esse CA analise a aplicação das mesmas medidas de Lisboa à STCP. Julgo mais adequado solicitar ao próximo CA que avalie o impacto destas medidas à empresa", descreveu o autarca.

"Entretanto, averiguaremos de quem foi a decisão", observou o autarca.

A recomendação da CDU referia que o Governo "decidiu introduzir o desconto de 60% no passe para maiores de 65 na cidade do Lisboa, assim como alargar a gratuitidade dos transportes para as crianças até aos 12 anos na Carris e no Metropolitano de Lisboa".

Para a vereadora comunista, Ilda Figueiredo, "o Grande Porto também carece de tarifários e transportes públicos mais justos".

Na reunião camarária de hoje, foi chumbada pela maioria absoluta de Rui Moreira (sete vereadores) a proposta do PS para isentar de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) as 12 associações de moradores (AM) da cidade, que abrangem "cerca de 800 habitações".

"Para nós, este assunto não está suficientemente amadurecido", disse Rui Moreira, notando não ter "a certeza de que a isenção do IMI seja a forma mais correta" de beneficiar aquelas entidades.

O vereador Álvaro Almeida, do PSD, que se absteve, notou que a proposta do PS pressupunha "um regulamento" que o documento não contemplava.

Na reunião camarária de dia 12, o executivo aprovou por unanimidade uma moção apresentada pela CDU/Porto para que seja agendado um debate sobre as AM criadas para resolver problemas habitacionais dos seus membros

Por sugestão do vereador do PS Manuel Pizarro, o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, concordou em debater mais profundamente a questão das AM numa futura reunião do executivo.

Dias depois, o PS anunciou a intenção de propor a isenção de IMI para "as AM criadas na cidade na sequência do 25 de Abril [de 1974], tendo como objetivo central a promoção do acesso à habitação".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?