Porto e Vila Nova de Gaia vão ter uma nova ponte sobre o Douro

Projeto deverá custar cerca de 12 milhões de euros e vai ser financiado pelas duas autarquias. O nome da nova ponte já está escolhido

As câmaras do Porto e de Vila Nova de Gaia anunciaram hoje a construção de uma nova ponte sobre o rio Douro, um projeto inteiramente financiado pelas duas autarquias.

A travessia, a designar Ponte D. António Francisco dos Santos, em homenagem ao bispo que morreu em setembro do ano passado, vai unir os dois concelhos entre Oliveira do Douro, em Gaia, e a zona de Campanhã, no Porto.

O anúncio foi feito pelos presidentes das câmaras do Porto, Rui Moreira, e de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, durante a manhã de hoje no Laboratório Edgar Cardoso, equipamento próximo da ponte São João, que une os dois concelhos via ferroviária.

Os autarcas estimam que a nova ponte custe cerca de 12 milhões de euros e esteja concluída no prazo de três a quatro anos.

Serão necessários dois concursos públicos, um para conceção que será lançado ainda este ano, e um segundo de caráter internacional para a construção.

"É uma solução que vinha sendo exigida pelas necessidades atuais e pelo facto de as duas cidades conviverem quase como uma. Temos um centro histórico, não temos dois", disse o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira

A travessia será construída à cota baixa, terá 250 metros e ligação para trânsito rodoviário e transporte público, passagem pedonal e ciclovia.

"É uma solução que vinha sendo exigida pelas necessidades atuais e pelo facto de as duas cidades conviverem quase como uma. Temos um centro histórico, não temos dois", disse o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, à margem da apresentação.

Já o autarca de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, disse acreditar que a nova ponte "vai transformar as duas margens", sendo que do lado sul, é objetivo "explorar o potencial de acessos ao IC23 e à VL9".

Com a construção da nova ponte, a atual travessia da Luiz I poderá passar a exclusivamente pedonal, somando-se a passagem do elétrico e de veículos de emergência

Os dois presidentes destacaram como meta o "alívio da pressão das pontes atuas", bem como a "inclusão de territórios que ao longo dos tempos têm sofrido alguma estigmatização", como referiu Eduardo Vítor Rodrigues.

Rui Moreira avançou ainda que com a construção desta nova ponte, a atual travessia da Luiz I poderá passar a exclusivamente pedonal, somando-se a passagem do elétrico e de veículos de emergência.

Quanto à ponte Dona Maria Pia, atualmente desativada, o autarca referiu que os dois concelhos "têm vindo a trabalhar em soluções para esse tabuleiro" que, garantiu, "não será abandonado porque os dois projetos são conjugáveis".

Questionados sobre o financiamento para a obra, Rui Moreira e Eduardo Vítor Rodrigues frisaram que Porto e Gaia vão pagar a ponte em partes iguais, com o autarca de Gaia a apontar que o fará sem recurso à banca.

O administrador diocesano do Porto, António Taipa, mostrou-se "profundamente emocionado" pelo nome escolhido para esta travessia

No decorrer da apresentação, Rui Moreira já tinha salientado: "Não precisamos de pedir nada ao senhor ministro das Infraestruturas e também não precisamos do Ministério da Cultura".

Na sessão, o administrador diocesano do Porto, António Taipa, mostrou-se "profundamente emocionado" pelo nome escolhido para esta travessia, lembrando o antigo bispo António Francisco dos Santos como "uma pessoa marcada pelo carinho e pelo afeto que nunca precisou de se colocar em bicos de pé para ser amado e respeitado".

PCP defende nova travessia sobre o Tejo

Em março, o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa defendeu o investimento numa nova ponte sobre o rio Tejo.

"No caso particular da travessia do Tejo, consideramos que era importante a concretização de uma outra ponte que ligasse, como é sabido, o Barreiro ao Beato, e que se considerasse outra questão: a Lusoponte explora as duas pontes, Vasco da Gama e 25 de Abril, arrecada receitas, mas não tem responsabilidades nas infraestruturas", referiu o líder comunista questionado sobre os problemas de degradação detetados na ponte 25 de Abril, noticiados pela revista Visão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG