Paulo Portas vai deixar a liderança do CDS-PP

O vice-primeiro-ministro do último governo anunciou a decisão esta noite aos dirigentes do partido, em reunião da comissão política.

Paulo Portas chegou à liderança do CDS-PP em 1998 - quando derrotou Maria José Nogueira Pinto, depois de Manuel Monteiro se demitir, na sequência do fracasso eleitoral nas autárquicas -, sendo o líder há mais tempo à frente de um partido.

Hoje comunicou aos dirigentes partidários, em comissão política do CDS, que não vai recandidatar-se à liderança no próximo congresso, que será convocado em Conselho Nacional no dia 7 de janeiro, confirmou o Diário de Notícias.

O que está por saber é se o ainda líder centrista vai manter-se como deputado na Assembleia da República depois de deixar a liderança do partido.

Para já, não são conhecidos candidatos à sucessão, mas fontes contactadas pelo Diário de Notícias indicam que Assunção Cristas, Pedro Mota Soares e Nuno Melo estarão entre os nomes mais fortes para assumir o lugar. O DN sabe que também Diogo Feio, antigo eurodeputado do CDS e membro da comissão diretiva, tido como muito próximo de Lobo Xavier (um histórico do partido) não exclui candidatar-se à liderança. Na calha está ainda o ex-secretário de Estado da Administração Interna e vice-presidente do CDS-PP João Almeida.

A ex-ministra da Agricultura, que foi uma das apostas de Paulo Portas, tem vindo a destacar-se nos últimos anos, sendo bastantes vezes apontada como alternativa à sucessão. A própria Assunção Cristas chegou a admitir, antes do verão, estar disponível para avançar "se um dia a questão se colocar".

As coligações com o PSD

À frente do CDS entre 1998 e 2005 e de novo desde 2007 até agora (Ribeiro e Castro ocupou o lugar naqueles dois anos, depois da derrota da direita nas legislativas de 2005), Paulo Portas negociou três coligações com o PSD para governar o país. Na primeira, em 2002, conseguiu três ministérios para o seu partido - Trabalho, Justiça e Defesa Nacional, pasta assumida pelo próprio líder centrista.

Tendo conseguido que o CDS-PP se tornasse na terceira força partidária nas legislativas de 2009, conquistando 21 lugares no Parlamento - altura em que Assunção Cristas chegou à Assembleia -, voltou a ver o seu partido crescer em 2011, quando elegeu 24 deputados. Foi com esta votação que se juntou pela segunda vez ao PSD para formar governo, assumindo ele próprio o lugar de ministro dos Negócios Estrangeiros e trazendo Assunção Cristas para a pasta da Agricultura e Mota Soares para a Segurança Social.

No verão de 2013, Paulo Portas causaria a mais grave crise política do governo de Passos Coelho com a sua demissão "irrevogável". Antecipou-se a queda do governo, o fim da liderança de Portas (os secretários de Estado centristas não o seguiram, como se esperava, e a demissão dos ministros Pedro Mota Soares e Assunção Cristas não foi aceite pelo CDS), mas o então primeiro-ministro recusou-se a ceder e o líder centrista recuou, acabando não só por manter-se no governo como por ganhar mais destaque. Da crise política, saiu vice-primeiro-ministro, conseguindo mais um lugar para o CDS no governo - a pasta da Economia ficou nas mãos de Pires de Lima.

Nas últimas legislativas, Portas juntou-se a Passos ainda antes de irem a votos e a coligação PSD-CDS venceu as eleições. Foi a primeira vez que os partidos que impuseram austeridade o conseguiram - ainda que essa se tornasse na legislatura mais curta da democracia. Viriam a ser afastados do governo 11 dias depois de tomarem posse, pela maioria parlamentar de esquerda, que votou uma moção de rejeição ao programa do governo.

Exclusivos