PDR suspende advogados suspeitos de raptar empresário

Marinho e Pinto, presidente do Partido Democrático Republicano (PDR), anunciou esta quinta-feira a suspensão dos membros do partido suspeitos do rapto do empresário João Paulo Fernandes.

"O princípio da presunção de inocência não se aplica na política", justificou o ex-bastonário da Ordem dos Advogados, no final da reunião da Comissão Política do partido, segundo o Jornal de Notícias. "Todos devem estar acima de qualquer suspeita"

Pedro Grancho Bourbon, um dos dirigentes do partido, foi detido esta semana pela Polícia Judiciária por suspeita de ligação ao rapto e morte do empresário, que tinha sido seu cliente. Foram presos também outros dois advogados, incluindo Manuel Grancho Bourbon, irmão de Pedro Bourbon, numa operação que colocou atrás das grades, ao todo, sete pessoas, entre empresários e um homem com antecedentes criminais por homicídio tentado e tráfico de droga.

Marinho e Pinto não negou a amizade pessoal que tem com Pedro Grancho e a sua família e recusou-se a comentar se acredita na inocência. "Aquilo em que acredito fica comigo". O dirigente do PDR, afirmou que a credibilidade do partido não foi afetada pois "assim como os familiares dos autores dos crimes não podem ser responsabilizados, os partidos e instituições não podem ser atingidos".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG