Ministério Público vai ter acesso a bases de dados dos contratos públicos

Uma "pequena prenda" para o ano que aí vem, disse sobre a nova ferramenta a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal

O Ministério Público vai ter acesso à informação que consta nas bases de dados sobre contratos públicos, incluindo procedimentos em concurso ou já concluídos, uma ferramenta que a procuradora-geral da República classificou como "uma pequena prenda".

"Posso considerar a assinatura deste protocolo como uma pequena prenda para o ano que aí vem", disse Joana Marques Vidal após a assinatura do acordo entre a Procuradoria-Geral da República e o Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC), dando cumprimento à alteração do Código dos Contratos Públicos.

Para a procuradora geral da República, a possibilidade de o Ministério Público aceder às bases de dados dos contratos público "é mais uma ferramenta que vai permitir facilitar o acesso a um conjunto de elementos de prova e de pesquisa essenciais para a investigação criminal, desde logo para a criminalidade ligada à corrupção e a criminalidade económico-financeira".

Joana Marques Vidal ressalvou ainda a importância desta ferramenta para as competências do MP nos tribunais administrativos e fiscais e para a jurisdição cível.

Fernando Oliveira Silva, presidente do IMPIC, destacou a utilidade da ferramenta para se poder "atuar na prevenção e na repressão de alguns fenómenos menos claro e menos transparentes", associados à contratação pública.

O protocolo, que entra em vigor em janeiro, permitirá ao MP acompanhar online as várias fases dos concursos públicos, desde o início do processo de candidatura, nomeadamente a informação comunicada pelas partes adjudicantes ao IMPIC e pelas plataformas eletrónicas de contratação pública.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.