Miguel Macedo: a diferença entre amigos e conhecidos

Depois de a Everjets ter ganho o concurso no MAI, Domingos Névoa comprou a empresa a sociedade ligada a amigo do ex-ministro

"É amigo de Domingos Névoa?", perguntou a procuradora Susana Figueiredo. "Sou conhecido", respondeu o ex-ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, acusado de três crimes de prevaricação e um de tráfico de influências, durante o interrogatório como arguido no caso dos vistos gold. A magistrada do Ministério Público queria perceber o grau de relação entre o ex-ministro e o empresário de Braga que, dias depois de a empresa Everjets formalizar com o MAI um contrato de 46 milhões de euros, comprou esta sociedade. Miguel Macedo, por sua vez, passou uma imagem de distanciamento face a Névoa, mas há nove anos o empresário de Braga afirmava ser seu "amigo pessoal".

O dono da Bragaparques comprou a maioria do capital da empresa de aviação Everjets, que ganhou o concurso para operar e manter os helicópteros pesados do Estado. Um concurso que foi investigado no âmbito do caso dos vistos gold, mas que ainda não foi encerrado pelo Ministério Público. Respondendo às perguntas sobre Domingos Névoa, Miguel Macedo passou a imagem de que não mantém com o empresário uma relação próxima: "Nunca fui a casa dele nem ele à minha, se me cruzar com ele sou cordato", disse o ex-ministro no interrogatório.

Em 2006, durante a investigação do caso Bragaparques, no qual Névoa foi suspeito (entretanto absolvido) de tentar corromper o então vereador da Câmara de Lisboa José Sá Fernandes, o empresário de Braga fora traçou ao Ministério Público um retrato diferente da sua relação com Miguel Macedo. À época, a Polícia Judiciária fotografou um encontro entre Névoa e Macedo. O primeiro explicou-o: "O depoente esclarece que tal se deve ao facto de o Dr. Miguel Macedo ser seu conterrâneo e seu amigo pessoal, sendo ainda seu cliente nas empresas Braviclasse ou na Manuel G. Castro, que são representantes da Land Rover." "Mais esclarece" - ainda de acordo com o auto de interrogatório de 2006 - "que acontece com frequência almoçar e encontrar-se com Miguel Macedo".

Leia mais na ediçao impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG