Menos de 6% dos candidatos à contratação colocados nas escolas

Pela primeira vez, o Ministério da Educação divulga listas antes do final de agosto. Devido ao aumento de entradas para o quadro, contratados só conseguiram 2300 lugares

Apenas 2300 professores - menos de 6% dos mais de 40 mil candidatos que se apresentaram à contratação externa - conseguiram assegurar uma colocação anual com horário completo nas escolas, revelam as listas de colocação ontem divulgadas pelo Ministério da Educação. A grande maioria dos cerca de 14 mil horários lançados pelas escolas foram ocupados por professores do quadro, que este ano engrossou em 3000 a 3400 efetivos por via das entradas através da vinculação extraordinária e da chamada "norma-travão".

Em comunicado, o Ministério da Educação defendeu que os números traduzem uma "demonstração inequívoca do efetivo combate à precariedade do corpo docente", já que no ano passado, nesta fase, os professores precários tinham preenchido mais do dobro dos lugares deste concurso: 4673.

Mas a Federação Nacional dos Professores, com base nos mesmos números, faz outras contas. E chega a conclusões bastante diferentes. A organização sindical soma as 3400 entradas no quadro estimadas aos 2300 contratados agora colocados e conclui que foram preenchidos 5700 horários completos por precários ou antigos precários. Uma diferença "na ordem de um milhar" para os 4673 contratados colocados em 2016. E conclui que isso significa que o ministério fez as contas por baixo na altura de definir as vagas nos quadros com base nas estimativas das necessidades permanentes das escolas.

Recorde-se que existiam cerca de cinco mil professores que reuniam as condições definidas pelo ministério (nomeadamente ao nível do tempo de serviço) para entrar nos quadros através da vinculação extraordinária. Mas a tutela abriu apenas 3200 vagas, a que se juntaram as entradas da norma-travão.

"Isto significa que o Ministério da Educação tal como nós dissemos, subavaliou as necessidades que as escolas têm de professores no momento da vinculação. Obrigou a que tivessem de ser contratados ainda 2300 professores", defendeu ao DN Mário Nogueira, secretário-geral desta organização sindical. "E isto demonstra claramente que este ano tem de haver uma nova contratação extraordinária", concluiu.

Já em relação aos largos milhares de candidatos que não conseguiram, pelo menos para já, um lugar nas escolas públicas, o sindicalista considerou que se "mantém o gravíssimo problema do desemprego de docentes. Nesta fase estão no desemprego mais de trinta mil professores. Se calhar, até as aulas começarem [através da primeira reserva de recrutamento], serão colocados mais dez mil professores", admitiu. "Mas o problema mantém-se."

À medida que o reforço dos quadros vai estabilizando os lugares nas escolas, é inevitável que as oportunidades para os candidatos à contratação - sobretudo os que têm menos tempo de serviço - vão diminuindo. Mas a Fenprof defende que essa não tem de ser uma fatalidade, lembrando a batalha que tem mantido para a criação de um regime especial de aposentação dos docentes.

"Antigamente os ciclos eram mais curtos. As pessoas aos 36 anos de serviço aposentavam-se, havia ciclos mais curtos de substituição dos professores", lembrou Nogueira. "Agora estão lá mais seis anos. Há um envelhecimento da classe docente, por um lado, e por outro um bloqueio ao acesso das novas gerações."

Elogios à antecipação das listas

No que todos estão de acordo é na vantagem da divulgação atempada das listas destes concursos as quais, em alguns anos, chegaram a surgir já no mês de setembro e nunca tinham saído antes do final de agosto. Em comunicado, o ministério sublinhou a "antecipação sem precedentes" da publicação das listas definitivas de colocação, lembrando que esta era "uma ambição reiterada de professores, educadores, diretores de escola e restante comunidade educativa que este ano se concretiza".

Nogueira admitiu que, "para este momento do ano, a situação melhorou em relação ao ano passado", lembrando no entanto que há ainda dúvidas a esclarecer: "Falta conhecer, por exemplo, a situação dos [professores do quadro em] horários zero. É um dado importante. O número vinha a descer mas, no ano passado, aumentou ligeiramente", lembrou.

Para Manuel António Pereira, da Associação Nacional de Diretores Escolares, "a boa notícia mesmo é que as colocações saíram mais cedo do que o usual, algo que estamos a pedir há muito tempo. Houve um grande esforço, até porque há quatro concursos a decorrer em simultâneo", lembrou. Por outro lado, a decisão do ministério de não colocar horários incompletos nesta fase leva a que "ainda haja muitos horários por preencher. Esperamos que seja resolvido na próxima semana", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.