Marcelo. "Não há a temer qualquer tipo de crise no Orçamento"

Numa altura de crescente tensão entre os partidos que sustentam o governo, Presidente da República acredita no "bom senso". PCP respondeu a "desabafos" do Presidente da República: "escusam de pressionar"

Foi um misto de apelo e de aviso. Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se ontem às negociações para o Orçamento do Estado de 2019 para dizer que haverá "bom senso" entre os partidos para que não se crie uma crise política, numa altura em que a União Europeia vive tempos conturbados.

Nos Açores, onde decorrem as comemorações oficiais do 10 de junho, o Presidente da República sublinhou que "todos sabem como este momento europeu é um momento difícil, que obriga a decisões difíceis, que são complicadas para todos, também para Portugal". Ora, "ninguém quer juntar às complicações que vêm de fora complicações de dentro ", adverte o chefe do Estado. E "esse bom senso faz com que não haja a temer qualquer tipo de crise ou qualquer tipo de problema com o Orçamento de Estado" de 2019, conclui Marcelo Rebelo de Sousa.

Declarações que surgem numa altura de crescente crispação entre os partidos que sustentam o governo liderado por António Costa. E que não tardaram a ter resposta. Poucas horas depois, o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, reagia ao que qualificou como "desabafos" do chefe do Estado, recusando pressões sobre a bancada comunista. "Em relação a esses desabafos do senhor Presidente da República: que fique claro que o PCP nunca assinou nem assinará cheques em branco. Escusam de pressionar porque o PCP, de uma forma autónoma, com as suas propostas, com a sua opção política, decidirá com independência", respondeu Jerónimo.

O contexto era simbólico do atual momento político - o líder comunista falava em Lisboa, na manifestação promovida pela CGTP contra a precariedade e pelo aumento dos salários, e em que ficou já anunciado um protesto junto ao parlamento a 6 de julho, data em que serão debatidas as alterações à lei laboral.

O elogio às Forças Armadas

Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se também à intervenção das Forças Armadas na República Centro-Africana, sublinhando que são um "motivo de orgulho" para Portugal. Integrados num contingente ao serviço da ONU, os militares portugueses têm estado envolvidos em sucessivas situações de confronto com milícias locais.

"Sempre que foi necessário intervir, intervieram a tempo e muito bem e em muitos casos foram mesmo a última instância de intervenção, o que é uma tentação enorme para passarem a ser a primeira instância de intervenção", sublinhou Marcelo, à margem das declarações oficiais do 10 de junho. E disse ainda estar "orgulhoso" por ter ouvido elogios de outros chefes de Estado ao desempenho do contingente nacional

As Forças Armadas devem voltar hoje a pontuar o dia do chefe do Estado, que faz em Ponta Delgada o discurso oficial do 10 de junho, assistindo também à tradicional cerimónia militar. Marcelo viaja depois para os Estados Unidos, acompanhado do primeiro-ministro, António Costa (que se juntou às comemorações ontem à noite).

Não mergulhar nos Açores? "É ofensivo"

Marcelo aproveitou uma pausa na agenda para ir a banhos em Ponta Delgada, numa piscina urbana com água do mar. "Vir aos Açores e não mergulhar é ofensivo", disse o Presidente, antes de um banho de 15 minutos, seguido de dezenas de fotografias com os muitos banhistas que aproveitavam a tarde de sol. E a temperatura da água, "nos 21, 22 graus", acima dos 14 com que foi a banhos "nas últimas vezes" no continente.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?