Marcelo entende "ansiedade" mas processo "é complexo"

"A precariedade é um processo complexo" e que "demora tempo", disse o chefe de Estado a propósito das manifestações de precários previstas para hoje

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje compreender a "impaciência e ansiedade" dos precários, mas destacou que a sua integração "é um processo complexo" que "demora tempo".

"A precariedade é um processo complexo, novo, são situações muito diferentes em vários ministérios, portanto demora tempo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas a propósito das manifestações de precários previstas para hoje.

Percebo a preocupação e o protesto, mas também entendo o ponto de vista daqueles que, governando, precisam de tempo para proceder à integração

O chefe do Estado disse compreender "que os interessados estejam impacientes e queiram ter a situação resolvida o mais rápido possível neste ano de 2018, mas também têm que compreender que essa integração é lenta".

"É, no entanto, do ponto de vista burocrático um processo complicado e lento", nada fácil de fazer, disse.

"Percebo a preocupação e o protesto, mas também entendo o ponto de vista daqueles que, governando, precisam de tempo para proceder à integração", salientou.

Os precários do Estado concentram-se hoje em Lisboa e no Porto para exigir a concretização do Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP).

Os protestos foram convocados após encontros dos trabalhadores precários do Estado, realizados nas duas cidades, e que tiveram como objetivo exigir que o Governo assuma as suas responsabilidades na concretização do programa de regularização

Com o lema "Nem boicotes, nem bloqueios, ninguém fica para trás!", as concentrações vão decorrer no Porto (Praça dos Poveiros) e em Lisboa (junto ao Ministério do Trabalho) a partir das 15:00.

Os protestos foram convocados após encontros dos trabalhadores precários do Estado, realizados nas duas cidades, e que tiveram como objetivo exigir que o Governo assuma as suas responsabilidades na concretização do programa de regularização.

"O atraso no programa, a falta de garantias de proteção de quem aguarda a regularização, as tentativas de boicote por parte dos dirigentes, a tímida aplicação nas autarquias até ao momento ou a falta de transparência do processo foram as razões que levaram a esta mobilização", refere a Associação de Combate à Precariedade - Precários Inflexíveis, que apoia a mobilização dos Precários do Estado, na sua página 'online'.

Os concursos abertos no âmbito do PREVPAP estão disponíveis para consulta 'online', segundo a informação disponibilizada na quarta-feira pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS).

Num balanço do programa (com dados atualizados em 02 de abril) apresentado pelo ministro Vieira da Silva no parlamento refere-se que o número total de requerimentos ascendeu aos 31.957 (dos quais 3.177 referentes ao MTSSS) e o número de concursos lançados alcançou os 43 (dos quais sete dizem respeito ao MTSSS).

O número de pareceres aprovados pelas comissões de avaliação bipartida (CAB) alcançou por sua vez os 10.394 e o número de pareceres homologados totalizou os 2.338.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG