Marcelo entende "ansiedade" mas processo "é complexo"

"A precariedade é um processo complexo" e que "demora tempo", disse o chefe de Estado a propósito das manifestações de precários previstas para hoje

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje compreender a "impaciência e ansiedade" dos precários, mas destacou que a sua integração "é um processo complexo" que "demora tempo".

"A precariedade é um processo complexo, novo, são situações muito diferentes em vários ministérios, portanto demora tempo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas a propósito das manifestações de precários previstas para hoje.

Percebo a preocupação e o protesto, mas também entendo o ponto de vista daqueles que, governando, precisam de tempo para proceder à integração

O chefe do Estado disse compreender "que os interessados estejam impacientes e queiram ter a situação resolvida o mais rápido possível neste ano de 2018, mas também têm que compreender que essa integração é lenta".

"É, no entanto, do ponto de vista burocrático um processo complicado e lento", nada fácil de fazer, disse.

"Percebo a preocupação e o protesto, mas também entendo o ponto de vista daqueles que, governando, precisam de tempo para proceder à integração", salientou.

Os precários do Estado concentram-se hoje em Lisboa e no Porto para exigir a concretização do Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP).

Os protestos foram convocados após encontros dos trabalhadores precários do Estado, realizados nas duas cidades, e que tiveram como objetivo exigir que o Governo assuma as suas responsabilidades na concretização do programa de regularização

Com o lema "Nem boicotes, nem bloqueios, ninguém fica para trás!", as concentrações vão decorrer no Porto (Praça dos Poveiros) e em Lisboa (junto ao Ministério do Trabalho) a partir das 15:00.

Os protestos foram convocados após encontros dos trabalhadores precários do Estado, realizados nas duas cidades, e que tiveram como objetivo exigir que o Governo assuma as suas responsabilidades na concretização do programa de regularização.

"O atraso no programa, a falta de garantias de proteção de quem aguarda a regularização, as tentativas de boicote por parte dos dirigentes, a tímida aplicação nas autarquias até ao momento ou a falta de transparência do processo foram as razões que levaram a esta mobilização", refere a Associação de Combate à Precariedade - Precários Inflexíveis, que apoia a mobilização dos Precários do Estado, na sua página 'online'.

Os concursos abertos no âmbito do PREVPAP estão disponíveis para consulta 'online', segundo a informação disponibilizada na quarta-feira pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS).

Num balanço do programa (com dados atualizados em 02 de abril) apresentado pelo ministro Vieira da Silva no parlamento refere-se que o número total de requerimentos ascendeu aos 31.957 (dos quais 3.177 referentes ao MTSSS) e o número de concursos lançados alcançou os 43 (dos quais sete dizem respeito ao MTSSS).

O número de pareceres aprovados pelas comissões de avaliação bipartida (CAB) alcançou por sua vez os 10.394 e o número de pareceres homologados totalizou os 2.338.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.