Marcelo avisa Costa que só fica aliviado quando for aprovado OE para 2017

Presidente espera não ter de aguentar governo em "dificuldades" no plano financeiro durante toda a legislatura. Por isso usou a expressão "por uns tempos"

O Presidente da República explicou hoje que disse que aguentava o governo "por uns tempos" porque espera que as dificuldades financeiras sejam temporárias. Marcelo Rebelo de Sousa avisa o primeiro-ministro que só vai ficar "descansado" neste plano quando for aprovado no Parlamento o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017).

Marcelo confessou-se "fanático da cultura de cogumelos", justificando que fez uma metáfora porque "como havia um cogumelo grande que servia de apoio ao mais pequeno, ocorreu-me como é importante a posição do Presidente relativamente ao governo quando tem de enfrentar dificuldades."

Sobre a expressão "por uns tempos", Marcelo tentou suavizar, mas lá foi dando o aviso. "Espero que não se justifique em termos económicos e financeiros haver estas dificuldades e estes debates que tem havido nos últimos tempos, com debate sobre as consequências do défice de 2015, o ano de 2016, a preparação para 2017".

Marcelo assume que "quando estiver pronto o OE para 2017 e passado no Parlamento, o Presidente fica mais aliviado nas suas preocupações relativamente à economia e às finanças do país". Logo depois disse que a situação exigia um "acompanhamento atento"; mas não "especialmente angustiado". Até porque tudo o que se tem passado no relacionamento com a Europa era previsível, sem surpresas: "Tudo certinho".

Mas Marcelo está desconfortável com esta discussão em torno das sanções e preferia que não fosse feita, porque é extemporânea e até lamenta que "governo e oposição façam disto uma luta política."

Para o Presidente "neste momento não faz sentido" estar a debate sanções já que "ainda estamos à espera da avaliação técnica e só depois disso se pode discutir a aplicação de sanções. Ora, o depois disso é uma altura em que o orçamento para 2017 já está praticamente pronto."

Estabelecendo um calendário, o chefe de Estado explica que "o tempo passa", lembrando que "estamos em julho, o OE tem de entrar em outubro na AR, portanto em setembro está pronto e tem de ser objeto de conversas com a Comissão Europeia." Assim, "enquanto se fala de 2015, está a ser executado 2016 e estará a ser debatido o OE de 2017". Ou seja, para Marcelo a discussão é prematura.

Marcelo falou ainda nas declarações de Mário Centeno que falou num buraco de três mil milhões de euros na CGD acumulado no tempo de Passos Coelho. Marcelo desvalorizou a revelação do ministro das Finanças, pois "toda a gente já sabia que se se falava numa reestruturação da CGD e numa recapitalização da CGD era porque havia falta de capital da CGD." Destacou ainda que foi acordado com Bruxelas que esse valor "não vá ao défice".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG