Manuel Godinho condenado a mais dois anos e meio de prisão por corrupção

Coletivo de juízes deu como provado que o sucateiro pagou 128 mil euros a um engenheiro da Refer

O sucateiro Manuel Godinho foi hoje condenado, no Tribunal de Aveiro, a mais dois anos e meio de prisão efetiva, por subornar um ex-funcionário da antiga Rede Ferroviária Nacional (Refer), também condenado no mesmo processo.

O coletivo de juízes deu como provado que o sucateiro pagou 128 mil euros a um engenheiro da Refer, que à data dos factos era responsável pela Via e Geotecnia da Zona Operacional de Conservação Sul, para praticar "atos materiais que visavam favorecer economicamente" as suas empresas.

Durante a leitura do acórdão, o juiz-presidente Jorge Bispo disse que o tribunal não ficou com dúvidas de que este dinheiro serviu como contrapartida pelas condutas que o ex-funcionário da Refer aceitou levar a cabo, no âmbito do acordo estabelecido com Manuel Godinho.

O magistrado referiu-se ainda ao facto de o ex-funcionário da Refer ter trabalhado em duas empresas administradas pelo empresário das sucatas, após ter sido despedido pela gestora ferroviária, o que é "revelador de uma certa relação de proximidade entre ambos".

"Esta contratação terá sido uma forma de compensar o arguido pela perda do emprego, na sequência de condutas ilícitas levadas a cabo no âmbito do acordo estabelecido entre ambos", concluiu o juiz-presidente.

Manuel Godinho foi assim condenado a dois anos e meio de prisão efetiva, por um crime de corrupção ativa.

O outro arguido foi condenado a três anos de prisão, por um crime de corrupção passiva, e dois anos, por um crime de falsificação de documento.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de três anos e meio de prisão efetiva.

Este arguido foi ainda absolvido de um crime de fraude fiscal de que estava acusado.

O tribunal decidiu não suspender as penas, devido à "elevada gravidade dos factos e à postura adotada por ambos os arguidos durante o julgamento", explicou o juiz-presidente.

Além da pena de prisão, os dois arguidos foram condenados a pagar solidariamente cerca de 77 mil euros à Refer, atualmente designada por Infraestruturas de Portugal.

O ex-funcionário da gestora ferroviária terá ainda de devolver ao Estado os 128 mil euros recebidos por Manuel Godinho.

Os advogados dos dois arguidos já disseram que vão recorrer da decisão.

Segundo a acusação, Manuel Godinho conseguiu que a Refer lhe pagasse 115 mil euros por trabalhos que não foram realizados ou que já tinham sido pagos, contando, para isso, com a cumplicidade de um engenheiro da empresa que rubricou as faturas, promovendo o pagamento desses serviços.

Em setembro do ano passado, Manuel Godinho foi condenado no âmbito do processo "Face Oculta" a 17 anos e meio de prisão, por 49 crimes de associação criminosa, corrupção, tráfico de influência, furto qualificado, burla, falsificação e perturbação de arrematação pública.

A defesa do empresário de Ovar recorreu do acórdão para o Tribunal da Relação do Porto, não havendo ainda decisão.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?