Lisboa é a cidade mais cara para os estudantes. Porto e Coimbra abaixo dos 500 euros/mês

São consideradas despesas com alojamento, alimentação e transportes

Lisboa continua a ser a cidade mais cara do país para os estudantes universitários, onde o custo médio mensal é de 626 euros para despesas de alojamento, alimentação e transporte, revelou hoje a plataforma 'online' Uniplaces.

Com base em dados sobre os custos básicos de alojamento, alimentação e transporte nas cidades universitárias de Lisboa, Porto, Coimbra e Braga, relativos ao mês de abril, a plataforma Uniplaces concluiu que "Lisboa é a cidade mais cara para os estudantes -- 626 euros mensais, que contrasta com Coimbra, em que o orçamento mensal necessário é de apenas 433 euros".

"Já Porto e Braga apresentam valores muito semelhantes, 496 euros e 493 euros, respetivamente", avançou.

Entre estas quatro cidades universitárias nacionais, a média do custo mensal suportado pelos estudantes ronda os 512 euros, que resulta da soma de "307 euros de preço médio de aluguer de quarto, 172 euros de compras de supermercado e 32 euros de despesas com transportes públicos", indicou a plataforma 'online' de arrendamento a estudantes.

"Esta análise mostra que quem optar por estudar em Lisboa precisa de um orçamento mensal consideravelmente superior ao de quem escolha Coimbra, por exemplo, com uma diferença de quase 200 euros mensais", afirmou a responsável de 'marketing' para o mercado português da Uniplaces, Inês Amaral.

De acordo com os dados analisados pela plataforma, "o alojamento é o custo mais elevado que os estudantes têm de suportar ao estudarem fora, motivo pelo qual o arrendamento de um quarto individual continua a ser a opção de eleição".

Na cidade de Lisboa, os estudantes gastam, em média, 409 euros por mês em arrendamento, valor superior ao registado no Porto (298 euros), em Braga (299 euros) e Coimbra (222 euros).

Neste sentido, "para os estudantes que optaram pela capital, o arrendamento de um quarto representa 65% do seu orçamento mensal", apurou a Uniplaces.

Outro dos principais encargos dos jovens que estudam fora é a alimentação, verificando-se que o custo médio mensal de alimentação é superior em Lisboa (181 euros), seguindo-se as cidades de Coimbra (176 euros) e do Porto (168 euros). Já Braga é a cidade menos dispendiosa, com os estudantes a gastarem "apenas 166 euros, ou seja, 33% do seu orçamento médio mensal".

A somar ao alojamento e à alimentação, "o transporte é dos custos menos pesados nos orçamentos mensais dos estudantes", apontou a plataforma 'online', revelando que o passe mensal para deslocações no centro destas cidades custa, em média, 36 euros em Lisboa, 35 euros em Coimbra, 30 euros no Porto e 28 euros em Braga.

Criada por portugueses em 2012, a plataforma de alojamento universitário Uniplaces permite aos proprietários e senhorios a rentabilização dos imóveis junto do mercado de arrendamento universitário, que tem vindo a crescer nos últimos anos, em várias cidades universitárias da Europa.

Atualmente, a plataforma conta com "mais 50 mil anúncios ativos, disponíveis para estudantes de mais de 100 países" que procuram um apartamento ou um quarto para viverem durante o período de estudos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.