Lisboa é a cidade mais cara para os estudantes. Porto e Coimbra abaixo dos 500 euros/mês

São consideradas despesas com alojamento, alimentação e transportes

Lisboa continua a ser a cidade mais cara do país para os estudantes universitários, onde o custo médio mensal é de 626 euros para despesas de alojamento, alimentação e transporte, revelou hoje a plataforma 'online' Uniplaces.

Com base em dados sobre os custos básicos de alojamento, alimentação e transporte nas cidades universitárias de Lisboa, Porto, Coimbra e Braga, relativos ao mês de abril, a plataforma Uniplaces concluiu que "Lisboa é a cidade mais cara para os estudantes -- 626 euros mensais, que contrasta com Coimbra, em que o orçamento mensal necessário é de apenas 433 euros".

"Já Porto e Braga apresentam valores muito semelhantes, 496 euros e 493 euros, respetivamente", avançou.

Entre estas quatro cidades universitárias nacionais, a média do custo mensal suportado pelos estudantes ronda os 512 euros, que resulta da soma de "307 euros de preço médio de aluguer de quarto, 172 euros de compras de supermercado e 32 euros de despesas com transportes públicos", indicou a plataforma 'online' de arrendamento a estudantes.

"Esta análise mostra que quem optar por estudar em Lisboa precisa de um orçamento mensal consideravelmente superior ao de quem escolha Coimbra, por exemplo, com uma diferença de quase 200 euros mensais", afirmou a responsável de 'marketing' para o mercado português da Uniplaces, Inês Amaral.

De acordo com os dados analisados pela plataforma, "o alojamento é o custo mais elevado que os estudantes têm de suportar ao estudarem fora, motivo pelo qual o arrendamento de um quarto individual continua a ser a opção de eleição".

Na cidade de Lisboa, os estudantes gastam, em média, 409 euros por mês em arrendamento, valor superior ao registado no Porto (298 euros), em Braga (299 euros) e Coimbra (222 euros).

Neste sentido, "para os estudantes que optaram pela capital, o arrendamento de um quarto representa 65% do seu orçamento mensal", apurou a Uniplaces.

Outro dos principais encargos dos jovens que estudam fora é a alimentação, verificando-se que o custo médio mensal de alimentação é superior em Lisboa (181 euros), seguindo-se as cidades de Coimbra (176 euros) e do Porto (168 euros). Já Braga é a cidade menos dispendiosa, com os estudantes a gastarem "apenas 166 euros, ou seja, 33% do seu orçamento médio mensal".

A somar ao alojamento e à alimentação, "o transporte é dos custos menos pesados nos orçamentos mensais dos estudantes", apontou a plataforma 'online', revelando que o passe mensal para deslocações no centro destas cidades custa, em média, 36 euros em Lisboa, 35 euros em Coimbra, 30 euros no Porto e 28 euros em Braga.

Criada por portugueses em 2012, a plataforma de alojamento universitário Uniplaces permite aos proprietários e senhorios a rentabilização dos imóveis junto do mercado de arrendamento universitário, que tem vindo a crescer nos últimos anos, em várias cidades universitárias da Europa.

Atualmente, a plataforma conta com "mais 50 mil anúncios ativos, disponíveis para estudantes de mais de 100 países" que procuram um apartamento ou um quarto para viverem durante o período de estudos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.