Universidade de Évora suspeita de ter falseado resultados de análises a poluição da água

Em causa está o derrame de fuelóleo no Porto de Sines, em outubro de 2016

O Laboratório de Ciências do Mar (CIEMAR) da Universidade de Évora está a ser investigado pelo Ministério Público por suspeitas de ter falseado uma análise à qualidade da água após o derrame de 30 toneladas de fuelóleo no Porto de Sines, em outubro de 2016. Os resultados ilibavam a empresa MSC, responsável pelo derrame, que está agora acusada de crime ambiental, após uma nova análise do instituto Hidrográfico (IH) de Lisboa ter concluído que a água estava contaminada.

A diferença nos resultados é explicada, segundo a universidade, pela utilização de diferentes métodos de análise.

A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Jornal de Notícias que aponta os resultados díspares das duas análises: a primeira, do CIEMAR, indicava que os níveis de poluição estavam dentro da lei, mas o Ministério Público pediu um novo estudo ao IH, em fevereiro do ano passado, que chegou a uma conclusão muito diferente: a água estava contaminada.

CIEMAR e Administração do Porto de Sines defendem-se alegando que o método de análise da água é usado desde 1997

Os responsáveis do navio vão ter de responder por um crime de poluição com perigo comum e falsificação de documentos. Segundo o jornal, este é o primeiro crime do género a ser julgado em Portugal.

De acordo com o inquérito da Polícia Marítima, o problema residiu na forma como foi realizada a análise do CIEMAR - que recolheu amostras da água não à superfície - onde estaria o produto poluente, uma vez que o fuelóleo não se mistura com a água - mas sim até 50 centímetros de profundidade, por isso os resultados não indicaram os valores agora apurados e que constituem um crime ambiental.

CIEMAR e Administração do Porto de Sines defendem-se alegando que o método de análise da água é usado desde 1997 e que o Instituto Hidrográfico fez análises ao fuelóleo e não à água e que será essa a razão da disparidade dos resultados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.