Universidade de Évora suspeita de ter falseado resultados de análises a poluição da água

Em causa está o derrame de fuelóleo no Porto de Sines, em outubro de 2016

O Laboratório de Ciências do Mar (CIEMAR) da Universidade de Évora está a ser investigado pelo Ministério Público por suspeitas de ter falseado uma análise à qualidade da água após o derrame de 30 toneladas de fuelóleo no Porto de Sines, em outubro de 2016. Os resultados ilibavam a empresa MSC, responsável pelo derrame, que está agora acusada de crime ambiental, após uma nova análise do instituto Hidrográfico (IH) de Lisboa ter concluído que a água estava contaminada.

A diferença nos resultados é explicada, segundo a universidade, pela utilização de diferentes métodos de análise.

A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Jornal de Notícias que aponta os resultados díspares das duas análises: a primeira, do CIEMAR, indicava que os níveis de poluição estavam dentro da lei, mas o Ministério Público pediu um novo estudo ao IH, em fevereiro do ano passado, que chegou a uma conclusão muito diferente: a água estava contaminada.

CIEMAR e Administração do Porto de Sines defendem-se alegando que o método de análise da água é usado desde 1997

Os responsáveis do navio vão ter de responder por um crime de poluição com perigo comum e falsificação de documentos. Segundo o jornal, este é o primeiro crime do género a ser julgado em Portugal.

De acordo com o inquérito da Polícia Marítima, o problema residiu na forma como foi realizada a análise do CIEMAR - que recolheu amostras da água não à superfície - onde estaria o produto poluente, uma vez que o fuelóleo não se mistura com a água - mas sim até 50 centímetros de profundidade, por isso os resultados não indicaram os valores agora apurados e que constituem um crime ambiental.

CIEMAR e Administração do Porto de Sines defendem-se alegando que o método de análise da água é usado desde 1997 e que o Instituto Hidrográfico fez análises ao fuelóleo e não à água e que será essa a razão da disparidade dos resultados.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.