Dois calceteiros e 15 toneladas de pedra fazem "Praça de Cascais" na California

Cidade californiana de Sausalito, geminada com a vila portuguesa, inaugura "Praça de Cascais" num processo que levou quatro anos e que pretende chamar a atenção para Portugal

Sausalito, na California, é uma cidade costeira e turística. A poucos minutos de distância de São Francisco - basta atravessar a ponte Golden Gate, muito semelhante à 25 de abril em Lisboa, por ter sido construída pela mesma empresa - é visitada diariamente por milhares de visitantes. Como Cascais.

Talvez por isso os dois municípios, geminados há cinco anos, levaram a cabo a empreitada de construir, na cidade californiana, uma "Praça de Cascais", inaugurada nesta terça-feira pela mayor da cidade, e pelo vice-presidente da câmara do município português, na presença do primeiro-ministro António Costa.

A pequena "praça", uma área circular com 5 metros de diâmetro, é ocupada na sua plenitude por uma rosa-dos-ventos em calçada portuguesa, "para que em Sausalito saibam sempre onde é Portugal, explicou Miguel Pinto Luz no discurso de inauguração.

No executivo camarário de Cascais, Pinto Luz tem a pasta da geminação com Sausalito e em entrevista diz que o processo foi longo e complexo, mas valeu a pena.

Como foi o processo que culminou na inauguração desta praça de Cascais em Sausalito?

Isto é uma parceria, uma cidade geminada que Cascais tem há mais de 5 anos, uma cidade à beira-mar plantada, muito parecida com Cascais na sua forma de estar na vida, na sua forma de viver o desenvolvimento económico, social e ambiental.

E há cerca de quatro anos tivemos uma ideia, com o então mayor de Sausalito: porque não deixar uma marca perene para as futuras gerações sintam a relação tão simbiótica entre estas duas cidades que estão a mais de nove mil quilómetros de distância uma da outra.

Com a simbologia da calçada portuguesa...

Dois artesãos de Cascais estiveram aqui durante três semanas. Trouxemos várias toneladas de pedra de Portugal, e não foi fácil. A burocracia tanto para sair do país como para entrar nos Estados Unidos foi muito difícil, mas hoje é uma realidade e estamos muito satisfeitos.

A ideia está relacionada com o facto de a comunidade portuguesa ser muito forte na California?

A comunidade portuguesa é muito forte aqui, e mais do que isso: Sausalito nasceu de pescadores portugueses e portanto tem aqui uma história centenária ligada à comunidade portuguesa, e portanto não podia deixar de ser outra cidade que não Sausalito a ter esta relação com Cascais.

Esta praça pode chamar turistas para Portugal?

Esse é o objetivo. Estamos a falar de uma cidade muito pequena, mas é fronteira com São Francisco e são milhares os turistas que vêm aqui a esta cidade turística. Ter este marco aqui é de facto um farol para sinalizar que existe do outro lado do mundo uma cidade irmã que é muito interessante de se visitar.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.