Dois calceteiros e 15 toneladas de pedra fazem "Praça de Cascais" na California

Cidade californiana de Sausalito, geminada com a vila portuguesa, inaugura "Praça de Cascais" num processo que levou quatro anos e que pretende chamar a atenção para Portugal

Sausalito, na California, é uma cidade costeira e turística. A poucos minutos de distância de São Francisco - basta atravessar a ponte Golden Gate, muito semelhante à 25 de abril em Lisboa, por ter sido construída pela mesma empresa - é visitada diariamente por milhares de visitantes. Como Cascais.

Talvez por isso os dois municípios, geminados há cinco anos, levaram a cabo a empreitada de construir, na cidade californiana, uma "Praça de Cascais", inaugurada nesta terça-feira pela mayor da cidade, e pelo vice-presidente da câmara do município português, na presença do primeiro-ministro António Costa.

A pequena "praça", uma área circular com 5 metros de diâmetro, é ocupada na sua plenitude por uma rosa-dos-ventos em calçada portuguesa, "para que em Sausalito saibam sempre onde é Portugal, explicou Miguel Pinto Luz no discurso de inauguração.

No executivo camarário de Cascais, Pinto Luz tem a pasta da geminação com Sausalito e em entrevista diz que o processo foi longo e complexo, mas valeu a pena.

Como foi o processo que culminou na inauguração desta praça de Cascais em Sausalito?

Isto é uma parceria, uma cidade geminada que Cascais tem há mais de 5 anos, uma cidade à beira-mar plantada, muito parecida com Cascais na sua forma de estar na vida, na sua forma de viver o desenvolvimento económico, social e ambiental.

E há cerca de quatro anos tivemos uma ideia, com o então mayor de Sausalito: porque não deixar uma marca perene para as futuras gerações sintam a relação tão simbiótica entre estas duas cidades que estão a mais de nove mil quilómetros de distância uma da outra.

Com a simbologia da calçada portuguesa...

Dois artesãos de Cascais estiveram aqui durante três semanas. Trouxemos várias toneladas de pedra de Portugal, e não foi fácil. A burocracia tanto para sair do país como para entrar nos Estados Unidos foi muito difícil, mas hoje é uma realidade e estamos muito satisfeitos.

A ideia está relacionada com o facto de a comunidade portuguesa ser muito forte na California?

A comunidade portuguesa é muito forte aqui, e mais do que isso: Sausalito nasceu de pescadores portugueses e portanto tem aqui uma história centenária ligada à comunidade portuguesa, e portanto não podia deixar de ser outra cidade que não Sausalito a ter esta relação com Cascais.

Esta praça pode chamar turistas para Portugal?

Esse é o objetivo. Estamos a falar de uma cidade muito pequena, mas é fronteira com São Francisco e são milhares os turistas que vêm aqui a esta cidade turística. Ter este marco aqui é de facto um farol para sinalizar que existe do outro lado do mundo uma cidade irmã que é muito interessante de se visitar.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.