Dois calceteiros e 15 toneladas de pedra fazem "Praça de Cascais" na California

Cidade californiana de Sausalito, geminada com a vila portuguesa, inaugura "Praça de Cascais" num processo que levou quatro anos e que pretende chamar a atenção para Portugal

Sausalito, na California, é uma cidade costeira e turística. A poucos minutos de distância de São Francisco - basta atravessar a ponte Golden Gate, muito semelhante à 25 de abril em Lisboa, por ter sido construída pela mesma empresa - é visitada diariamente por milhares de visitantes. Como Cascais.

Talvez por isso os dois municípios, geminados há cinco anos, levaram a cabo a empreitada de construir, na cidade californiana, uma "Praça de Cascais", inaugurada nesta terça-feira pela mayor da cidade, e pelo vice-presidente da câmara do município português, na presença do primeiro-ministro António Costa.

A pequena "praça", uma área circular com 5 metros de diâmetro, é ocupada na sua plenitude por uma rosa-dos-ventos em calçada portuguesa, "para que em Sausalito saibam sempre onde é Portugal, explicou Miguel Pinto Luz no discurso de inauguração.

No executivo camarário de Cascais, Pinto Luz tem a pasta da geminação com Sausalito e em entrevista diz que o processo foi longo e complexo, mas valeu a pena.

Como foi o processo que culminou na inauguração desta praça de Cascais em Sausalito?

Isto é uma parceria, uma cidade geminada que Cascais tem há mais de 5 anos, uma cidade à beira-mar plantada, muito parecida com Cascais na sua forma de estar na vida, na sua forma de viver o desenvolvimento económico, social e ambiental.

E há cerca de quatro anos tivemos uma ideia, com o então mayor de Sausalito: porque não deixar uma marca perene para as futuras gerações sintam a relação tão simbiótica entre estas duas cidades que estão a mais de nove mil quilómetros de distância uma da outra.

Com a simbologia da calçada portuguesa...

Dois artesãos de Cascais estiveram aqui durante três semanas. Trouxemos várias toneladas de pedra de Portugal, e não foi fácil. A burocracia tanto para sair do país como para entrar nos Estados Unidos foi muito difícil, mas hoje é uma realidade e estamos muito satisfeitos.

A ideia está relacionada com o facto de a comunidade portuguesa ser muito forte na California?

A comunidade portuguesa é muito forte aqui, e mais do que isso: Sausalito nasceu de pescadores portugueses e portanto tem aqui uma história centenária ligada à comunidade portuguesa, e portanto não podia deixar de ser outra cidade que não Sausalito a ter esta relação com Cascais.

Esta praça pode chamar turistas para Portugal?

Esse é o objetivo. Estamos a falar de uma cidade muito pequena, mas é fronteira com São Francisco e são milhares os turistas que vêm aqui a esta cidade turística. Ter este marco aqui é de facto um farol para sinalizar que existe do outro lado do mundo uma cidade irmã que é muito interessante de se visitar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?