Trabalhadores da CP e Medway voltam à greve a 23 e 24 de junho

Arbitragem obrigatória do Conselho Económico e Social decretou que "serão realizados 25% do total dos comboios habitualmente programados para os períodos de greve,

O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI) lamentou as definições dos serviços mínimos da greve desta terça e quarta-feira da CP e da Medway e informou existir já um pré-aviso para paralisar também a 23 e 24 de junho.

Recordando que na base dos protestos está a "questão do agente único", Luís Bravo, presidente do SFRCI, precisou que a paralisação da Medway (antiga CP Carga) decorre entre as 00:00 e as 24:00 de segunda-feira e a da CP entre as 12:00 de terça e as 12:00 de quarta-feira, para os trabalhadores com local de trabalho entre Coimbra e Vila Real de Santo António.

Os mesmos modelos serão utilizados para a greve de 23 e 24, mas para os trabalhadores a Norte de Coimbra, com o dirigente sindical a explicar que esta diferenciação de horários da greve se deve ao facto de não haver transporte de mercadorias aos feriados. O dia 13 é feriado em Lisboa e 24 é feriado no Porto.

Luís Bravo referiu que com o modelo para os próximos dias, "grande parte" das viagens de comboios de longo curso ficava garantida, com revisores sedeados no Porto, mas "em complemento foi ainda atribuído mais 25% de comboios abrangidos, o que dá quase 75% de comboios de longo curso".

A previsão do sindicalista é adesão total dos trabalhadores que não cumpram os serviços mínimos e que as "bilheteiras vão estar completamente fechadas". "No fundo vai haver comboios, mas não vai haver cobrança", resumiu à Lusa.

"Em termos de circulação vai haver bastante, uma vez que o tribunal arbitral decretou serviços máximos na sua decisão, que é incompreensível e que faz lembrar os tempos anteriores ao 25 de Abril (de 1974), em que não se podia fazer greve, porque como foram distribuídos os serviços mínimos, equivale praticamente a que os trabalhadores sejam impedidos de fazer greve", argumentou.

A arbitragem obrigatória do Conselho Económico e Social decretou na sexta-feira que "serão realizados 25% do total dos comboios habitualmente programados para os períodos de greve, tomando em consideração que no dia 13 de junho, nas linhas e Sintra, Azambuja e Cascais a programação corresponde a dia feriado".

Cabe à CP escolher os comboios, devendo dar prioridade "às situações com maior impacto na mobilidade das pessoas, designadamente os comboios que habitualmente transportam o maior número de passageiros". Contactada pela Lusa, a empresa referiu que divulgará esta tarde informações sobre a greve.

Já na Medway, os serviços mínimos abrangem o "transporte de 'amoníaco', 'matérias perigosas' ou suscetíveis de perecimento durante o período de greve". A Lusa aguarda comentários da empresa.

Para explicar os motivos da greve, Luís Bravo lembrou que os trabalhadores têm uma ata do Governo de dezembro a incluir dois agentes no regulamento.

"O Governo não cumpriu o acordo e o senhor secretário de Estado se, aquilo que subscreve não vale nada, acho que devia considerar pôr o seu lugar à disposição", defendeu.

No passado dia 04, no âmbito de uma outra paralisação, o presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira, garantiu que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, tal como tem vindo a ser "regra" na empresa.

"Desde há 20 anos que a regulamentação permite a circulação de comboios em regime de agente único, sendo que, no caso da CP, nunca se prescindiu de dois agentes na tripulação. A tripulação composta por dois agentes é regra na CP [...], é o nosso compromisso, que foi, formalmente, apresentado junto da tutela e do Instituto da Mobilidade e dos Transportes [IMT]", disse Carlos Gomes Nogueira.

Já hoje o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, lamentou "os impactos" de uma "greve repetida" na CP (Comboios de Portugal), mas apontou que o Governo não vai ceder às reivindicações dos trabalhadores.

"A greve é um direito completamente legítimo dos trabalhadores, contudo o que está aqui em causa é a alteração de um regulamento que o Governo não alterou e não está a pensar alterar", disse Pedro Marques.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.