Sócrates e Pinho: PS não pode continuar a ser "instrumento de corruptos e criminosos"

Eurodeputada escreve no Twitter que o PS "não pode continuar a esconder a cabeça na carapaça da tartaruga". E admite ao DN que está a falar dos casos de Sócrates e Manuel Pinho.

"O @psocialista não pode continuar a esconder a cabeça na carapaça da tartaruga. Próximo Congresso é oportunidade p/ escalpelizar como se prestou a ser instrumento de corruptos e criminosos. Pela renegeração do próprio PS, da Política e do País."

A declaração foi feita esta manhã pela eurodeputada do PS Ana Gomes. Falando ao DN, Ana Gomes assumiu que a sua afirmação foi feita "obviamente à luz das revelações" das reportagens da SIC sobre José Sócrates - mas também sobre o que se soube nos últimos dias sobre o ex-ministro da Economia Manuel Pinho (suspeito de corrupção no processo EDP).

Embora criticando, no caso de Sócrates, a divulgação das imagens dos interrogatórios ("as fontes da Justiça que libertaram aquilo praticaram um crime"), a eurodeputada acrescenta que "por muito que condenemos a divulgação, a verdade é que há substância que não pode ser iludida".

"Não há dúvida nenhuma de que o PS se tornou instrumento de vários indivíduos corruptos e com uma agenda de enriquecimento pessoal", acrescentou, dizendo ainda que, no caso específico de Manuel Pinho, nunca teve "dúvidas nenhumas": "Não sabia nada mas cheirou-me mal tudo aquilo", a forma como "se fez" a um cargo governamental (ministro da Economia no primeiro governo de Sócrates) e o facto de ter ligações ao BES. "Não estou propriamente espantada", afirma ainda.

Para a eurodeputada do PS, o partido tem agora de aproveitar o próximo congresso nacional (de 25 a 27 de maio) para "fazer uma autocritica, um exame critico, para que isto não volte a acontecer e desta maneira não só regenerar-se como influenciar os outros partidos, a vida política nacional e a regeneração do pais".

"A falta de crédito dos partidos está na origem dos movimentos populistas na Europa e eu não quero que isso aconteça no meu País. O PS tem muito trabalho bom, designadamente neste Governo, e portanto não pode fingir que não tem este problema terrível na sua historia", reforçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.