Soares "continua connosco, de cabeça erguida e olhos no futuro"

Presidente da República inaugurou exposição de 49 fotografias sobre as cerimónias fúnebres de Mário Soares, vistas como modelo dos funerais de Estado em democracia.

A homenagem prestada ontem a Mário Soares pelas mais altas figuras do Estado, na capela do Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, terminou com todos os presentes a cantarem o hino nacional, após o Presidente da República afirmar que "seria impensável terminar" a cerimónia "não cantando" A Portuguesa.

Com algumas centenas de familiares, amigos e admiradores a encherem a capela no primeiro aniversário da morte de Mário Soares, após uma breve cerimónia de deposição de coroas de flores - por parte do Chefe do Estado, do presidente do Parlamento, do primeiro-ministro e do presidente da autarquia - junto ao túmulo do estadista, com elementos da GNR a fazerem guarda de honra e a tocarem hinos militares que se ouvem em cerimónias fúnebres, Marcelo Rebelo de Sousa foi o último dos oradores.

Associando a Soares "a liberdade sem peias, a justiça sem delongas, a democracia sem tergiversações, a solidariedade sem guetos, a proximidade sem complexos, travão de messianismos, sebastianismos e providencialismos, a Europa sem medo dos europeus, o mundo sem guerras e opressões", o Presidente evocou a "palavra muito simples, mas muito poderosa, porque muito sentida" que os portugueses disseram há um ano: "Obrigado."

Lembrando como o ex-Presidente se bateu por "mais liberdade, mais igualdade, mais democracia, mais Europa dos europeus, mais paz, mais justiça, mais fraternidade universal", Marcelo acrescentou: "Um ano depois, Mário Soares continua connosco nesta saga, como sempre esteve, de cabeça erguida, sorriso confiante, peito feito ao vento, olhos no futuro."

Fernando Medina - a câmara municipal organizou a cerimónia - elogiou o "alfacinha de gema" que foi Mário Soares e recordou que "alguns dos [seus] discursos marcantes" contra a ditadura foram feitos em cerimónias fúnebres como as de Bento de Jesus Caraça, Mário Azevedo Gomes e Jaime Cortesão. A propósito da exposição inaugurada ontem no Cemitério dos Prazeres, organizada pelo antigo assessor soarista José Manuel dos Santos e que junta 49 fotografias do funeral de Mário Soares, o autarca assumiu "o compromisso firme" e o "total empenho" da autarquia em "promover e divulgar o [seu] legado".

João Soares agradeceu a "inolvidável despedida, o adeus português" ao seu pai e que se transformou no "primeiro funeral de Estado" do pós-25 de Abril. Depois de dizer que "os cemitérios têm um lugar importante no combate à ditadura", tanto por causa dos referidos discursos aí feitos por Mário Soares como pelas cerimónias do 5 de Outubro no Alto de São João, o deputado socialista sublinhou que o pai "mereceu ter sido o primeiro a exercer as funções de primeiro-ministro saído de eleições livres no Portugal de Abril", bem como "mereceu ter sido o primeiro civil eleito como Presidente da República" e ainda "ter tido o primeiro funeral de Estado do Portugal democrático".

Isabel Soares evocou o pai, que "até estar doente recusou falar da morte", o "sentimento de orfandade e o vazio" que continua a sentir e, com a voz embargada, deixou uma promessa: "Honraremos o seu legado de esperança, a sua memória, e manteremos viva a sua imagem."

O primeiro-ministro, que não participou nas cerimónias fúnebres de há um ano por estar em visita de Estado à Índia, enalteceu o "republicano, laico e socialista" que Mário Soares sempre foi e a sua capacidade de associar "idealismo e realismo, convicção e ação, política e cultura". Por isso, "a nossa mais justa homenagem é continuarmos o seu combate por um Portugal melhor", frisou António Costa.

O presidente do Parlamento destacou a importância de "valorizar "causas de sempre" de Soares como "a democracia, o europeísmo, a justiça social, os direitos humanos". Enfatizando que ele "nunca precisou de ser populista para ser popular", Ferro Rodrigues terminou com um "Até sempre, Mário Soares!".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.