Rio alerta para "graves problemas" da Saúde em Portugal

O presidente do PSD falou do "muito elevado montante" da dívida na Saúde que "um dia terá de ser paga" e da ausência de investimentos em equipamentos

Rui Rio alertou esta segunda-feira, em Coimbra, para os "graves problemas" que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a atravessar, nomeadamente com o agravamento da dívida e com a ausência de investimento em equipamentos.

No início de uma semana dedicada ao setor da Saúde, Rui Rio visitou o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e ainda a Maternidade Bissaya Barreto onde abordou, com os jornalistas, as "enormes dificuldades" que conheceu em Coimbra, pese embora também tenha tido oportunidade de visitar "serviços de excelência".

A Saúde tem uma grave carência de pessoal: o Governo baixou as 40 horas para as 35 horas e, se há setores em que isso não é particularmente grave, na saúde, é. E isso hoje origina graves carências na prestação de serviços por falta de profissionais, sejam médicos, enfermeiros e auxiliares

Por outro lado, Rui Rio apontou outros "graves problemas", como por exemplo o "agravamento das dívidas do SNS, que são dívida pública e que um dia terá de ser paga", e a "falta de investimento nos equipamentos, que são absolutamente fundamentais para diagnósticos corretos e tratamentos corretos".

O crescimento das dívidas da Saúde, "de muito elevado montante" e que gera "grave preocupação", foi matéria que Rui reforçou, assim como a "questão das listas de espera, que tem vindo a agravar-se".

Optando por não falar sobre outros temas da atualidade, para não desviar atenções e alertar o país para os problemas da Saúde, Rui Rio disse ainda defender o SNS, uma "das grandes conquistas do 25 de Abril".

Estas visitas, que passarão igualmente pelo Hospital S. João, no Porto - "não é só lá que há dificuldades" - têm a intenção de alertar também o Governo para "eliminar de forma mais célere" os problemas na Saúde.

Sobre um eventual pacto com o PS sobre este setor, Rui Rio disse que os "acordos têm sempre a ver com questões de ordem estrutural e não de governação", mas que se o "PS, o CDS e os outros partidos quiserem conversar sobre alguma reforma de fundo no SNS", o PSD "está disponível".

Estes problemas derivam de má gestão, de um franco combate à racionalidade da despesa e ao desperdício em termos de despesa pública

O presidente do PSD falou ainda da necessidade de se construir uma nova maternidade em Coimbra, que esteja mais próxima do Centro Hospitalar, e reconheceu ter visitado no CHUC serviços de grande qualidade, como a "Cardiologia ou o serviço do professor Manuel Antunes".

A nova maternidade em Coimbra permitirá que "Portugal continue a ter uma taxa de mortalidade infantil muito, muito baixa, das melhores do Mundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.