Rio alerta para "graves problemas" da Saúde em Portugal

O presidente do PSD falou do "muito elevado montante" da dívida na Saúde que "um dia terá de ser paga" e da ausência de investimentos em equipamentos

Rui Rio alertou esta segunda-feira, em Coimbra, para os "graves problemas" que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a atravessar, nomeadamente com o agravamento da dívida e com a ausência de investimento em equipamentos.

No início de uma semana dedicada ao setor da Saúde, Rui Rio visitou o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e ainda a Maternidade Bissaya Barreto onde abordou, com os jornalistas, as "enormes dificuldades" que conheceu em Coimbra, pese embora também tenha tido oportunidade de visitar "serviços de excelência".

A Saúde tem uma grave carência de pessoal: o Governo baixou as 40 horas para as 35 horas e, se há setores em que isso não é particularmente grave, na saúde, é. E isso hoje origina graves carências na prestação de serviços por falta de profissionais, sejam médicos, enfermeiros e auxiliares

Por outro lado, Rui Rio apontou outros "graves problemas", como por exemplo o "agravamento das dívidas do SNS, que são dívida pública e que um dia terá de ser paga", e a "falta de investimento nos equipamentos, que são absolutamente fundamentais para diagnósticos corretos e tratamentos corretos".

O crescimento das dívidas da Saúde, "de muito elevado montante" e que gera "grave preocupação", foi matéria que Rui reforçou, assim como a "questão das listas de espera, que tem vindo a agravar-se".

Optando por não falar sobre outros temas da atualidade, para não desviar atenções e alertar o país para os problemas da Saúde, Rui Rio disse ainda defender o SNS, uma "das grandes conquistas do 25 de Abril".

Estas visitas, que passarão igualmente pelo Hospital S. João, no Porto - "não é só lá que há dificuldades" - têm a intenção de alertar também o Governo para "eliminar de forma mais célere" os problemas na Saúde.

Sobre um eventual pacto com o PS sobre este setor, Rui Rio disse que os "acordos têm sempre a ver com questões de ordem estrutural e não de governação", mas que se o "PS, o CDS e os outros partidos quiserem conversar sobre alguma reforma de fundo no SNS", o PSD "está disponível".

Estes problemas derivam de má gestão, de um franco combate à racionalidade da despesa e ao desperdício em termos de despesa pública

O presidente do PSD falou ainda da necessidade de se construir uma nova maternidade em Coimbra, que esteja mais próxima do Centro Hospitalar, e reconheceu ter visitado no CHUC serviços de grande qualidade, como a "Cardiologia ou o serviço do professor Manuel Antunes".

A nova maternidade em Coimbra permitirá que "Portugal continue a ter uma taxa de mortalidade infantil muito, muito baixa, das melhores do Mundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.