Ministros de pedra e cal. Mais secretários de Estado vão sair do governo

Três secretários de Estado exonerados na sequência do caso das viagens pagas pela Galp. Outros se seguirão, por outras razões

A remodelação de secretários de Estado hoje iniciada, com três demissões, não vai ficar por aqui. Outras se seguirão, nos próximos dias. Estarão em causa, segundo o DN soube junto de fonte do gabinete do primeiro-ministro, secretários de Estado que já tinham pedido para sair, por razões pessoais ou profissionais.

No entanto, quanto a ministros, nada. Estão todos de pedra e cal, mesmo aqueles que nas últimas semanas têm estado debaixo de fogo: a ministra da Administração Interna, Constança Urbana de Sousa, por causa do incêndio de Pedrógão; e o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, devido ao desaparecimento de material militar de Tancos.

Num ação previamente combinada com o primeiro-ministro, Fernando Rocha Andrade (Assuntos Fiscais), João Vasconcelos (Indústria) e Jorge Costa Oliveira (Internacionalização) enviaram uma nota à Lusa explicando porque haviam pedido ao primeiro-ministro para serem exonerados. Fizeram-no depois de solicitarem ao Ministério Público para serem constituídos arguidos na investigação das viagens a França durante o Euro 2016 (os três foram ver jogos da seleção portuguesa a convite e com tudo pago pela Galp). Objetivo: poderem "provar no decorrer do referido inquérito" que "os seus comportamentos não configuram qualquer ilícito". Por entenderem que "nas atuais circunstâncias não poderão continuar a dar o seu melhor contributo ao governo" e por pretenderem "que o executivo não seja prejudicado, na sua ação, por esta circunstância", os três pediram a exoneração.

No âmbito da mesma ação combinada, o primeiro-ministro responderia, em comunicado, pouco depois: "Ponderando a vontade manifestada pelos senhores secretários de Estado, a avaliação que fazem das condições para o exercício das funções e de modo a não prejudicar o seu legítimo direito de defesa, decidi aceitar o pedido de exoneração."

Assessor do PM arguido

António Costa salientou no entanto o facto de "não ter sido deduzida pelo Ministério Público qualquer acusação, nem consequentemente uma eventual acusação ter sido validada por pronúncia judicial". E concluiu com uma palavra de agradecimento "reconhecido" à "relevante e dedicada colaboração dos três secretários de Estado nas funções desempenhadas no XXI Governo Constitucional".

O facto relevante para os três pedirem a demissão foi terem sabido que já havia "várias pessoas" constituídas arguidas na investigação criminal. Trata-se - segundo o DN apurou - de chefes de gabinetes governamentais e de pessoal dirigente da Galp. Esta noite, fonte do governo confirmou ao DN uma notícia avançada pelo Expresso: entre os arguidos está também um assessor económico do primeiro-ministro, Vítor Escária. Do ponto de vista da investigação criminal poderá estar em causa, segundo o Observador, o crime de "recebimento indevido de vantagem". A tipificação do crime diz que "o funcionário que, no exercício das suas funções ou por causa delas, por si, ou por interposta pessoa, com o seu consentimento ou ratificação, solicitar ou aceitar, para si ou para terceiro, vantagem patrimonial ou não patrimonial, que não lhe seja devida, é punido com pena de prisão até cinco anos ou com pena de multa até 600 dias".

Também afirma que "quem, por si ou por interposta pessoa, com o seu consentimento ou ratificação, der ou prometer a funcionário, ou a terceiro por indicação ou conhecimento daquele, vantagem patrimonial ou não patrimonial, que não lhe seja devida, no exercício das suas funções ou por causa delas, é punido com pena de prisão até três anos ou com pena de multa até 360 dias". E determina, na última alínea, uma cláusula de exclusão de ilicitude: "Excluem-se dos números anteriores as condutas socialmente adequadas e conformes aos usos e costumes."

"Dentro da adequação social"

Ora, foi precisamente a "adequação social" o primeiro argumento que, em agosto do ano passado, quando a Sábado deu a notícia, que Fernando Rocha Andrade invocou para justificar a aceitação do convite da Galp para ver dois jogos da seleção. Foi - segundo disse então - um "convite natural" e "dentro da adequação social". Além do mais, "não existe conflito de interesses" - mesmo sabendo-se que a Galp tinha um litígio de muitos milhões de euros com a Autoridade Tributária, organismo tutelado pelo secretário de Estado. Mais tarde, Rocha Andrade anunciaria que iria pagar à Galp tudo o que a empresa gastara com a sua viagem. E as decisões relativas à petrolífera foram transferidas para o seu ministro, Mário Centeno.

Depois de conhecido o caso de Rocha Andrade, soube-se também que outros dois secretários de Estado haviam viajado até França nas mesmas condições: João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira. Vasconcelos garantiu sempre que foi ele a pagar os bilhetes de avião. Jorge Costa Oliveira nunca se pronunciou publicamente.

Estas demissões atingem três ministérios: Finanças (por causa de Rocha Andrade), Economia (João Vasconcelos) e Negócios Estrangeiros (Jorge Costa Oliveira).

Surgem a três dias do debate parlamentar do Estado da Nação (quarta-feira) e acrescentam mais um aos temas quentes que já estavam em cima da mesa (o incêndio de Pedrógão e o desaparecimento de material militar em Tancos).

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."