Relatório sobre estado do ambiente vai ser antecipado seis meses

O presidente da APA considerou como pontos menos positivos na área do ambiente, os fogos florestais, a seca e a poluição do rio Tejo e destacou a água e a gestão do solo como pontos positivos

O relatório sobre o estado do ambiente em Portugal de 2018 vai ser este ano antecipado em seis meses e ser conhecido já em maio, disse, esta quarta-feira, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Nuno Lacasta.

"O objetivo é fornecer informação a meio do ano, para se complementar com as estatísticas ambientais que saem no final do ano", justificou o responsável, que falava numa audição parlamentar da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação.

Nuno Lacasta foi apresentar aos deputados os relatórios do estado do ambiente relativos a 2016 e 2017, que já são conhecidos, e considerou como os pontos menos positivos na área do ambiente os fogos florestais e depois a seca, que levaram ao aumento das emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente por recurso a carvão para a produção de energia. Ainda assim, disse, a seca foi gerida da forma mais estruturada e sistematizada de sempre.

Lacasta disse que estão em elaboração cinco planos de combate à seca, que serão feitos ao longo do ano por regiões hidrográficas.

Outro aspeto negativo foi a poluição do rio Tejo, nas palavras do presidente da APA, que salientou estarem em preparação licenças "integradas e dinâmicas" para 10 instalações. Em fevereiro, na mesma comissão e a propósito da poluição no Tejo detetada em janeiro, Lacasta já tinha defendido licenças dinâmicas para as empresas que fazem descargas de efluentes no rio Tejo, com o valor dessas descargas ajustado a qualquer momento.

Quanto aos aspetos positivos, o responsável destacou a água e a gestão do solo (lembrou os 12 milhões de euros destinados a garantir a proteção dos recursos hídricos nas áreas ardidas), e lembrou o Plano Litoral 21 e as guias eletrónicas de resíduos, que atingem 15 mil por dia, (guias para acompanhar o transporte de resíduos).

Positiva foi também a diminuição do consumo interno de matérias pelo segundo ano consecutivo, e o aumento pelo quarto ano consecutivo dos impostos com relevância ambiental. Ou a inversão da tendência de perda de passageiros nos transportes públicos, apesar do aumento da atividade económica e da compra de veículos.

E depois, ainda segundo Nuno Lacasta, se há uma tendência de melhoria da qualidade do ar, a evolução em termos de ruído tem sido "difícil", especialmente porque o investimento nessa área diminuiu no período da "troika" (assistência financeira). Estima-se que 430 mil pessoas sejam expostas a ruído noturno, disse, salientando o facto de haver agora mais informação através de mapas de ruído, que não existiam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.