Relatório sobre estado do ambiente vai ser antecipado seis meses

O presidente da APA considerou como pontos menos positivos na área do ambiente, os fogos florestais, a seca e a poluição do rio Tejo e destacou a água e a gestão do solo como pontos positivos

O relatório sobre o estado do ambiente em Portugal de 2018 vai ser este ano antecipado em seis meses e ser conhecido já em maio, disse, esta quarta-feira, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Nuno Lacasta.

"O objetivo é fornecer informação a meio do ano, para se complementar com as estatísticas ambientais que saem no final do ano", justificou o responsável, que falava numa audição parlamentar da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação.

Nuno Lacasta foi apresentar aos deputados os relatórios do estado do ambiente relativos a 2016 e 2017, que já são conhecidos, e considerou como os pontos menos positivos na área do ambiente os fogos florestais e depois a seca, que levaram ao aumento das emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente por recurso a carvão para a produção de energia. Ainda assim, disse, a seca foi gerida da forma mais estruturada e sistematizada de sempre.

Lacasta disse que estão em elaboração cinco planos de combate à seca, que serão feitos ao longo do ano por regiões hidrográficas.

Outro aspeto negativo foi a poluição do rio Tejo, nas palavras do presidente da APA, que salientou estarem em preparação licenças "integradas e dinâmicas" para 10 instalações. Em fevereiro, na mesma comissão e a propósito da poluição no Tejo detetada em janeiro, Lacasta já tinha defendido licenças dinâmicas para as empresas que fazem descargas de efluentes no rio Tejo, com o valor dessas descargas ajustado a qualquer momento.

Quanto aos aspetos positivos, o responsável destacou a água e a gestão do solo (lembrou os 12 milhões de euros destinados a garantir a proteção dos recursos hídricos nas áreas ardidas), e lembrou o Plano Litoral 21 e as guias eletrónicas de resíduos, que atingem 15 mil por dia, (guias para acompanhar o transporte de resíduos).

Positiva foi também a diminuição do consumo interno de matérias pelo segundo ano consecutivo, e o aumento pelo quarto ano consecutivo dos impostos com relevância ambiental. Ou a inversão da tendência de perda de passageiros nos transportes públicos, apesar do aumento da atividade económica e da compra de veículos.

E depois, ainda segundo Nuno Lacasta, se há uma tendência de melhoria da qualidade do ar, a evolução em termos de ruído tem sido "difícil", especialmente porque o investimento nessa área diminuiu no período da "troika" (assistência financeira). Estima-se que 430 mil pessoas sejam expostas a ruído noturno, disse, salientando o facto de haver agora mais informação através de mapas de ruído, que não existiam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.