Ratos assustam Secundária do Restelo

Especialista explica os riscos para a saúde pública se animais morderem pessoas

Manel estava a ter uma aula no pátio da Escola Secundária do Restelo, em Lisboa, na quarta-feira da semana passada, quando o inesperado aconteceu: "Chamaram-me a atenção de que havia um rato numa palmeira. Quando nos virámos, vimos cinco ratazanas a subir e a descer a árvore. Ao lado, no telhado, havia mais três." Contactado pelo DN, o diretor do Agrupamento de Escolas do Restelo, Júlio Santos, reconheceu o problema, mas garantiu que "a situação já está resolvida".

Foi com surpresa e algum pânico que os alunos da turma do 11.º ano reagiram quando se aperceberam da presença dos ratos na escola. "Ficou um ambiente de insegurança. Já ninguém queria passar naquele sítio." Ao DN, a mãe deste aluno mostrou-se bastante preocupada com aquela que considera ser "uma questão de saúde pública". "Acho nojento. Se uma ratazana morder alguém, pode ser um problema", afirmou.

Mário Durval, especialista em saúde pública, diz que "se efetivamente fossem ratazanas, existiam riscos, mas não se sabe até que ponto seriam um perigo efetivo". Para o serem, "é preciso que estejam infetadas". Além disso, "quando são ratazanas, há o risco de atacarem e morderem caso se sintam encurraladas". Ressalvando que não conhece pormenores do caso, o especialista lembra que "é impossível acabar com os ratos", devido à sua elevada resistência, pelo que "o objetivo em saúde pública é controlar o seu desenvolvimento".

Segundo o diretor do agrupamento, foi chamada, de imediato, a empresa de desinfestação com a qual o agrupamento tem contrato anual de assistência. Júlio Santos diz que o que originou a praga de ratos foi uma palmeira, atacada pela "praga das palmeiras", que estava a servir de "habitat" para os roedores. Com a ajuda da Junta de Freguesia de Belém, a palmeira foi removida e, segundo o responsável, "a zona está limpa". "A situação está resolvida", assegurou.

Este não é, contudo, o único problema da escola. Devido à falta de condições dos balneários, os professores de Educação Física suspenderam as aulas práticas no início do ano letivo. Júlio Santos adiantou que "a solução é, para já, uma intervenção rápida para criar as condições mínimas e depois passar para uma reabilitação mais profunda". Construída no pós-25 de Abril, a escola deveria ter entrado na fase 3 de reabilitação pela Parque Escolar, mas com a mudança de política a situação "ficou ainda pior". "Temos procurado sensibilizar a tutela para a necessidade premente de uma intervenção", afirmou Júlio Santos. Pais e alunos denunciam, ainda, problemas com estores, caixilharias e climatização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.