Racismo e tortura na PSP: julgamento de 17 agentes prossegue hoje em Sintra

Esta manhã tem lugar a terceira sessão do julgamento dos 17 polícias da esquadra de Alfragide, acusados de racismo e tortura

Sete dos polícias acusados, incluindo um chefe, já foram ouvidos em tribunal e esta terça-feira começam a prestar testemunho os restantes 10.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), 17 elementos da PSP, à data dos factos (fevereiro de 2015) a prestar serviço na Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial da Amadora, espancaram, ofenderam a integridade física e trataram de forma vexatória, humilhante e degradante as seis vítimas, além de incitarem à discriminação, ao ódio e à violência por causa da raça.

Os agentes já ouvidos têm negado todas as acusações e contrariado a versão que é defendida pelo MP, a começar pela localização do primeiro incidente desse dia, provocado pela detenção de um dos jovens na Cova da Moura.

Os polícias alegam que as lesões e os ferimentos provocados nos jovens se deveram ao facto de terem sido obrigados a usar a força porque estes tentaram invadir a esquadra e resistiram às detenções. O MP considerou que a versão dos polícias era falsa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.