Racismo e tortura na PSP: julgamento de 17 agentes prossegue hoje em Sintra

Esta manhã tem lugar a terceira sessão do julgamento dos 17 polícias da esquadra de Alfragide, acusados de racismo e tortura

Sete dos polícias acusados, incluindo um chefe, já foram ouvidos em tribunal e esta terça-feira começam a prestar testemunho os restantes 10.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), 17 elementos da PSP, à data dos factos (fevereiro de 2015) a prestar serviço na Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial da Amadora, espancaram, ofenderam a integridade física e trataram de forma vexatória, humilhante e degradante as seis vítimas, além de incitarem à discriminação, ao ódio e à violência por causa da raça.

Os agentes já ouvidos têm negado todas as acusações e contrariado a versão que é defendida pelo MP, a começar pela localização do primeiro incidente desse dia, provocado pela detenção de um dos jovens na Cova da Moura.

Os polícias alegam que as lesões e os ferimentos provocados nos jovens se deveram ao facto de terem sido obrigados a usar a força porque estes tentaram invadir a esquadra e resistiram às detenções. O MP considerou que a versão dos polícias era falsa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.