Quase um terço dos portugueses quer voltar a estudar em breve

Fundação Belmiro de Azevedo lança hoje think-tank da Educação para promovera reflexão, mas também a investigação. Primeiro trabalho mostra o valor que é dado à escola

Dois terços dos portugueses (62%) gostava de ter mais escolaridade que aquela que tem. E metade desses (28%) está decidida a voltar à escola em breve para mudar essa realidade. Estas são duas das conclusões do primeiro estudo promovido pelo think-tank criado pela Fundação Belmiro de Azevedo para se dedicar aos temas da Educação.

A instituição, única em Portugal, é apresentada hoje, no Convento de Beato, em Lisboa, e vai reunir no seu conselho consultivo nomes como Isabel Alçada, consultora para a Educação do Presidente da República e ex-ministra da área, o ex-ministro e presidente do Conselho Nacional de Educação, David Justino, os ex-secretários de Estado João Queiró e Isabel Leite ou o presidente da Agência Nacional de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, Alberto Amaral.

A apresentação hoje do EDULOG vai estar a cargo de outro membro do conselho consultivo, José Novais Barbosa, presidente da UPTEC. Os restantes elementos que vão definir as prioridades do observatório são o sociólogo António Barreto, o fundador do grupo Sonae e do EDULOG, Belmiro de Azevedo, e Luís Reis, CEO da Sonae Financial Services.

Além de promover o debate, este projeto pretende divulgar e disponibilizar dados sobre a Educação em Portugal e a sua comparação a nível internacional, e também financiar projetos de investigação. Foi por acreditar que "esta instituição pode ajudar a melhorar a Educação", que a ex-ministra socialista Isabel Alçada aceitou fazer parte do conselho consultivo. "Este projeto pretende trazer um contributo importante para a reflexão sobre a Educação e apoiar essa reflexão em informação científica", aponta a atual consultora de Marcelo Rebelo de Sousa.

Nesse sentido, logo na apresentação vai ser divulgado o primeiro estudo feito para o EDULOG, sobre o Valor Atribuído pelos Portugueses à Educação. O trabalho desenvolvido pela professora Patrícia Ávilla, do ISCTE, e Carlos Liz, da IPSOS APEME mostra que a maioria dos portugueses não está satisfeito com o grau de escolaridade que tem.

28% queixa-se de falta de oferta

Para compensar as baixas qualificações, quase um terço (28%) planeia voltar à escola. Destes 15% pensa fazê-lo a curto prazo e 13% a médio prazo. Porém, são os portugueses que têm um nível mais elevado de escolaridade (secundário ou superior) que mostram vontade de continuar a estudar, aponta a investigadora Patrícia Ávilla.

Ao mesmo tempo, um terço dos portugueses que não tem intenção de voltar à escola justifica essa atitude com "a falta de oferta". "Os dados mostram que a falta de oferta é um problema, mas também é preciso trabalhar a motivação de quem pode beneficiar destes programas. Estamos a falar de pessoas que se colocam muito fora do sistema, que acham que voltar à escola não é para elas. Junta-se a isso o facto de neste momento não haver nenhum programa nacional que tenha substituído o Novas Oportunidades", acrescenta.

A formação de adultos é uma das áreas também identificadas por Isabel Alçada como prioritárias. "Existe uma imperiosa necessidade de haver uma formação de adultos que valorize as áreas-chave que devem ser adquiridas e que seja adequada à etapa da vida em que estas pessoas estão. Experiências anteriores dizem-nos que um modelo similar à educação de jovens não funciona. É preciso ir ao encontro da forma como o adulto encara a educação". A ex-ministra defende que esta reflexão deve ser uma prioridade para o grupo que agora integra.

A criação deste projeto foi anunciada há um ano pelo fundador da Sonae, quando este comemorou os 50 no grupo. Retirado dos órgãos sociais e da gestão das empresas, Belmiro de Azevedo apostou na fundação e mais concretamente na criação deste think-tank. Na época, o empresário admitiu que ia aproveitar o tempo livre para também, ele, voltar a estudar. Uma atividade que descreve como um "vício" criado pelo seu professor primário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.