Quantos bebés nascem no primeiro dia do ano em Portugal

Estimativa da UNICEF diz que deverão viver até 2100

213 bebés irão nascer durante o dia de hoje em Portugal, segundo a UNICEF hoje. Ao todo, são esperados 385.793 nascimentos em todo o mundo no primeiro dia do ano.

De acordo com este organismo, terá sido pequena ilha de Kiribati, no Pacífico, que nasceu o primeiro bebé de 2018, enquanto o último deverá nascer nos Estados Unidos.

Globalmente, mais de metade destes nascimentos irão ocorrer em nove países: Índia (69.070), China (44.760), Nigéria (20.210), Paquistão (14.910), Indonésia (13.370), Estados Unidos (11.280), República Democrática do Congo (9.400), Etiópia (9.020) e Bangladesh (8.370).

A maioria dos bebés sobrevive e prospera, mas muitos não irão viver para além do primeiro dia, alerta a Unicef. " Em 2016, um total estimado de 2.600 crianças morreram nas primeiras 24 horas de vida. Para quase 2 milhões de recém-nascidos, a sua primeira semana de vida foi também a última. Globalmente, 2,6 milhões de crianças morreram durante o primeiro mês após o nascimento", resume. "Mais de 80 por cento destas mortes de recém nascidos ocorreram devido a causas preveníveis ou tratáveis, como nascimento prematuro, complicações durante o parto e infeções como septicémia e pneumonia".

"Uma criança nascida em Portugal em janeiro de 2018 viverá provavelmente até ao ano 2100, enquanto que uma criança nascida na Somália terá uma esperança média de vida de apenas 57 anos. Infelizmente, essa será a realidade para perto de metade das crianças nascidas este ano", diz Beatriz Imperatori, Diretora Executiva da UNICEF Portugal, citada num comunicado.

"A resolução de Ano Novo da UNICEF é ajudar todas as crianças a viverem mais do que uma hora, mais do que um dia, mais do que um mês mais do que mera sobrevivência," afirma a responsável neste comunicado, em que se salienta que nas últimas duas décadas, se registaram progressos sem precedentes em matéria de sobrevivência infantil, tendo-se reduzido para metade o número de crianças que morrem antes do seu quinto aniversário em todo o mundo para 5,6 milhões em 2016.

"Apesar destes avanços, o progresso para os recém-nascidos tem sido mais lento. Os bebés que morrem no primeiro mês representam 46 por cento de todas as mortes entre crianças com menos de cinco anos", lê-se.

Em Fevereiro, a UNICEF irá lançar a campanha global Every Child Alive, para conseguir levar soluções de saúde de qualidade e financeiramente acessíveis a todas as mães e recém-nascidos. Estas incluem o fornecimento estável de água limpa e eletricidade a unidades de saúde, a presença de pessoal de saúde qualificado durante o nascimento, a desinfeção do cordão umbilical, o aleitamento materno na primeira hora após o nascimento e contacto pele a pele entre a mãe e filho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?