PSP deteve 20 pessoas por "falsas encomendas" de calçado na internet

Esquema lesou cerca de 1.400 compradores e permitiu à organização lucros de quatro milhões de euros

A PSP deteve 20 pessoas, na zona de Leiria, que vendiam calçado de marca falsa na internet, esquema que lesou cerca de 1.400 compradores e permitiu à organização lucros de quatro milhões de euros, anunciou hoje aquela polícia.

Na quarta-feira, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) avançou que os arguidos, na sua maioria marroquinos, estão indiciados dos crimes burla, branqueamento de capitais, corrupção passiva e ativa, falsificação de documentos e associação criminosa.

Os 20 detidos, com idades entre os 21 e os 59 anos e organizados entre si, criavam páginas na rede social Facebook para promover e anunciar a venda de calçado de marca, a preço de saldo ou outlet

Segundo a PGDL, os arguidos são hoje ouvidos em primeiro interrogatório judicial.

Em comunicado hoje divulgado, a PSP refere que os 20 detidos, com idades entre os 21 e os 59 anos e organizados entre si, criavam páginas na rede social Facebook para promover e anunciar a venda de calçado de marca, a preço de saldo ou outlet e referiam que se tratava de calçado importado, sendo por isso mais barato que nas lojas das marcas e respetivos representantes.

A polícia realça que já foram identificados entre 1.300 a 1.400 vítimas, tendo esta organização obtido proveitos que ascendem a cerca de quatro milhões de euros

Contactados pelos ofendidos e concretizado o negócio, os agora detidos enviavam o calçado "sem qualquer marca distintiva e não correspondente ao que se haviam comprometido a vender e que foram pagos", explica a PSP, adiantando que as encomendas eram expedidas através de apartados dos CTT e levantadas mediante o pagamento.

A polícia realça que já foram identificados entre 1.300 a 1.400 vítimas, tendo esta organização obtido proveitos que ascendem a cerca de quatro milhões de euros.

Foram apreendidos mais de 1.600 pares de ténis, 700 encomendas com ténis, 29,6 mil euros, 70 telemóveis, 15 computadores e 15 viaturas

Aquela força de segurança explica que na operação, desenvolvida na zona de Leiria, foram feitas 54 buscas domiciliárias e não domiciliárias e em 60 apartados em 15 estações dos CTT com vista a apreensão do material utilizado pelos suspeitos para a prática criminosa.

Segundo a PSP, foram apreendidos mais de 1.600 pares de ténis, 700 encomendas com ténis, 29,6 mil euros, centenas de talões de liquidação e aceitação de encomendas, centenas de ordens de cobrança dos CTT, centenas de vales dos CTT, 200 sacos de remessa, 70 telemóveis, 15 computadores e 15 viaturas, vários extratos bancários.

A PGDL dava conta, na quarta-feira, que tinham sido emitidos 22 mandados de detenção e que, no total, e até ao momento, estão em investigação 134 páginas da internet criadas pelos arguidos.

A operação contou com a presença de cerca de 200 agentes da PSP de Lisboa e Leiria e com a participação de inspetores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O inquérito é dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.