PSD vai expulsar militantes condenados por corrupção

A líder da JSD, Margarida Balseiro Lopes conseguiu convencer a direção do partido a mudar os estatutos do partido. Novo regulamento de disciplina vai a conselho nacional dia 30.

O PSD vai mesmo acolher a proposta da líder da JSD de consagrar nos estatutos do partido, que estão em processo de revisão, a expulsão dos militantes que sejam condenados por corrupção. O assunto vai a discussão na Comissão Política Nacional social-democrata, depois de Margarida Balseiro Lopes ter "negociado" essa alteração com o secretário-geral José Silvano. A proposta de alteração ao regulamento disciplinar irá também ao Conselho Nacional de dia 30 d maio.

Margarida Balseiro Lopes tinha enviado uma carta à direção de Rui Rio a propor que os estatutos e o regulamento de disciplina do PSD passem a prever a prática de infração e consequente expulsão do partido se houver "tráfico de influência, favorecimento pessoal praticado por funcionário, denegação da justiça, prevaricação, corrupção, peculato, participação económica em negócio, abuso de poder, fraude na obtenção ou desvio de subsídio ou subsídio", entre outros crimes.

Ao DN manifestou-se "muito satisfeita" pelo partido ter sido sensível à sua preocupação com o combate à corrupção, mesmo internamente. Margarida Balseiro Lopes quer, aliás, entregar um dossier completo de propostas nesta área a Rui Rio e ao Presidente da da República até ao final de julho.

Recorda que Marcelo Rebelo de Sousa ainda recentemente fez um apelo a que os partidos sejam consequentes perante este problema. E lançou um desafio: "Se há necessidade de elaborar legislação que corresponda verdadeiramente àquilo que é fundamental para o país ou para o Estado de Direito democrático, então eu penso - mas está nas mãos dos partidos - que os partidos devem atuar", disse em entrevista ao Público. Na qual também sublinhou que no pacto da justiça, que envolveu os seus principais agentes, ficaram de fora dois dos instrumentos que permitem agilizar o combate à corrupção, no caso a delação premiada e o enriquecimento ilícito.

Duas medidas que a líder da jota também defende e que vão ser debatidas num ciclo de mesas redondas que vai organizar durante o mês de junho, e para as quais foram convidados especialistas na área.

A primeira, dedicada ao tema do combate à corrupção e o direito penal, em especial, cooperação [vulgo delação] premiada e enriquecimento ilícito, é já no dia 6 do próximo mês e a última, sobre o reforço da transparência na vida pública termina a 25 de junho.

Haverá ainda mesas sobre transparência e prevenção da corrupção nas entidades públicas, incluindo autarquias, bem como entidades participadas pelo Estado ou beneficiarias de apoios públicos de qualquer natureza; transparência do processo decisório; contratação pública incluindo parcerias público-privadas; lobbying e transparência; regulação; governance de sociedades; e ordenamento do território.

Dos convidados para as mesas, muitos independentes, apenas se conhece o nome de Joaquim Sarmento, especialista em PPP e de Carlos Oliveira Cruz, engenheiro do Instituto Superior Técnico, que se tem debruçado sobre as parcerias público-privadas.

Margarida Balseiro Lopes sublinha ao DN a importância de refletir sobre este tema, para que as medidas sejam efetivamente um "instrumento" de combate aos que em cargos públicos tiram benefícios próprios e minam os alicerces do Estado democrático. Este foi, aliás, o mote do discurso da líder da JSD e deputada da bancada social-democrata no 25 de Abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.