PSD quer pagar 10 mil euros por cada filho a todos os portugueses

Rui Rio apresentou "uma política para a infância". É proposto um novo apoio até aos 18 anos e creches gratuitas a partir dos seis meses

O pagamento de um subsídio de 428, 90 euros a todas as grávidas, num pagamento único ao 7.º mês de gravidez, é uma das propostas que o PSD lança a debate para uma nova política de infância, num país com problemas graves de natalidade. As propostas de apoio às famílias vão muito mais longe, com um novo apoio transversal a todas as crianças, sem olhar à condição económica, que ultrapassa aos 10 mil euros até aos 18 anos, em pagamentos faseados anualmente.

Rui Rio avançou esta segunda-feira com um pacote de medidas saído do primeiro documento produzido pelo Conselho Estratégico do PSD e que visa uma nova "política para a infância". Um documento com mais de 100 páginas em que se traça o perfil das famílias portuguesas e das condições que têm para ter os seus filhos. E onde não se esquece a "hemorragia demográfica" que o país vive.

O subsídio às grávidas é calculado segundo o valor do indexante de apoios sociais (IAS) e visa "facilitar os investimentos referentes à chegada de um novo membro" à família.

"É uma matéria que abarca diversos setores. Podemos falar da área social, da educação, segurança social, da desertificação do interior, que pode ter o seu espaço, e até na saúde. E isto tudo reflete-se na competitividade da economia e na qualidade de vida. É um tema estrutural da sociedade portuguesa", afirmou Rui Rio na apresentação do documento.

O Conselho Estratégico Nacional, dirigido por David Justino, que é simultaneamente coordenador desta área, prevê a atribuição de um subsídio fixo por criança com valores progressivamente menores até aos 18 anos, em substituição do abono de família, que o partido considera obsoleto.

A proposta é a da atribuição a todas as famílias, independentemente da condição sócio-económica, de um valor anual desde que a criança nasce até que completa 18 anos. Ainda durante a gravidez as famílias recebem 428,9 euros. Nos seis anos seguintes é-lhes entregue um valor de 857,8 euros pagos anualmente até a criança completar seis anos. A partir dessa idade, reduz para um pagamento de um indexante (428,90) pago até aos 18 anos anualmente. Quando atingir a maioridade, a criança terá tido direito a 10 722,5 euros. Se a família tiver um segundo filho, as crianças passam a beneficiar de três indexantes anuais até aos seis anos (1286,7 euros), o que até à maioridade perfaz 13295,9 euros.

Duas grandes prioridades

De uma maneira mais geral, sem entrar na concretização de propostas, Rui Rio define duas prioridades. Em primeiro, conseguir a criação de "condições favoráveis à maternidade e, em paralelo, atenuar e reduzir drasticamente a pobreza infantil, que existe muito mais do que o que se possa pensar e ver para quem não está diretamente ligado".

Depois, o líder do PSD quer também "procurar parar a hemorragia demográfica". "Porque ao contrário do que tem sido dito nos últimos três ou quatro anos, que os portugueses tinham que emigrar, principalmente os jovens mais bem preparados, a verdade é que agora continuam a emigrar cem mil portugueses por anos", referiu Rui Rio, que acrescentou, assim, que o que tem sido feito "não teve efeitos práticos nisto, que é uma preocupação que o próprio Governo diz que também tem". Integrar socialmente os imigrantes, antes de atrair novos, também é um dos objetivos do PSD.

Creches gratuitas dos 0 aos 6 anos

No documento, o PSD defende que "os resultados académicos das crianças estão fortemente relacionados com a situação económica e social das famílias". Sublinha ainda que um programa similar ao que existe na Suécia de apoio à família como o que é preconizado neste novo modelo representa um custo de 4 euros por dia, durante seis anos. "Será que são 4 euros bem gastos?" - é pergunta que deixam no ar.

O PSD propõe também aumentar a licença de maternidade/paternidade paga até às 26 semanas (atualmente é de 20). Mantendo a obrigatoriedade de as mães gozarem 13 semanas e as restantes poderem ser partilhadas com os pais. Além disso, defende-se que a duração das licenças deve ser estendida até um ano, sem pagamento adicional, para que as mães/pais que assim o desejem possam acompanhar o primeiro ano de vida dos seus filhos - atualmente a licença paga atinge os nove meses.

É posta também em discussão pública a gratuitidade da frequência das creches e infantários das redes pública e solidária. E neste âmbito da educação das crianças mais jovens, o PSD defende a criação de uma linha de acesso aos fundos estruturais sempre que empresas de forma individual ou em associação se proponham a investir na abertura de uma creche/jardim de infância que funcione junto de uma zona empresarial. Uma infraestrutura que terá de assumir o estatuto de IPSS e dar prioridade aos filhos dos funcionários.

O CEN estima que da aplicação progressiva das medidas, em seis anos, estejam a frequentar creches e jardins de infância das IPSS ou da rede pública de jardins de infância cerca de 250 mil crianças, o que representa o dobro do número atual. E estima ainda a necessidade de abertura de mais de seis mil salas.

No documento refere-se que, desde 2009, altura do governo de José Sócrates, os benefícios sociais de apoio à infância estão estagnados pouco acima dos 300 euros por habitante/ano, tornando Portugal um dos países da União Europeia com menor apoio social à infância. No retrato sobre a infância em Portugal, o PSD chegou igualmente à conclusão de que as taxas de risco de pobreza para a população com menos de 6 anos estão acima de 20% e o peso da mensalidade da creche no rendimento disponível das famílias representa 25%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.