Carreiras: 496 milhões separam propostas do governo e dos professores

Descongelamento dos professores com recuperação integral do tempo custaria cinco vezes mais do que a de qualquer outro funcionário público

A proposta que o governo apresentou aos professores em recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias do período do período do congelamento acrescenta mais 139 milhões de euros à despesa associada ao descongelamento que começou a ser feito em janeiro. Aquele valor aumentaria em mais 496 milhões de euros se avançasse a proposta dos sindicatos, de recuperação integral daquele tempo. Para o governo esta diferença poria em causa a sustentabilidade das contas públicas e faria com que o acréscimo remuneratório dos professores resultante do descongelamento fosse cinco vezes superior ao dos restantes funcionários públicos.

Na recusa em aceitar a proposta dos sindicatos - que levaram ontem as Federações a ameaçar com greve - pesaram o impacto na despesa e questões de equidade. Segundo das contas do Executivo, o descongelamento da carreira dos cerca de 100 mil professores tendo em conta todo o tempo de serviço em que esta esteve congelada (e que ascende a mais de 9 anos) custaria 600 milhões de euros num ano.

Aplicando as mesmas regras de descongelamento a todos os outros cerca de 550 mil funcionários públicos (incluindo as carreiras que, como os professores, progridem por tempo), o custo anual seria de 510 milhões de euros - cinco vezes mais baixo do que o dos professores, tendo em conta a diferença de universos.

Excluindo o tema da equidade, o governo olha também para a fatura do descongelamento, fazendo as contas ao seu custo anual quando acabar o faseamento - já que este pagamento em prestações é assumido como forma de mitigar o impacto orçamental da medida nestes próximos anos. E o que os valores mostram, segundo fonte do governo, é que no que apenas aos professores diz respeito, o descongelamento realizado com base no que está no Orçamento do Estado de 2018 custa 519 milhões de euros por ano. Se a proposta de recuperação parcial do tempo do governo chegar a ser acolhida, a fatura soe para os 658 milhões. Já a proposta dos sindicatos somada ao que já está em prática, subiria a despesa anual para os 1154 milhões de euros.

Além destes valores, o governo olha ainda para outras medidas que têm sido tomadas e que também aumentam despesa nomeadamente a vinculação de professores com contagem do tempo que estiveram a contrato para efeitos de progressão da carreira e redução do número de alunos por turma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.