Portugal é dos países da UE onde jovens vivem até mais tarde com os pais

Idade média para sair de casa dos pais é de 29,2

Os jovens portugueses só deixam de viver em casa dos pais por volta dos 29,2 anos de idade, em média, o que constitui o sétimo valor mais elevado da União Europeia (UE), revelam dados hoje publicados pelo Eurostat.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE, em média os jovens europeus saem de casa dos progenitores por volta dos 26 anos, mas registam-se grandes diferenças entre os Estados-membros: os jovens nos países escandinavos, por exemplo, deixam de viver com os pais pouco depois de completarem 20 anos; enquanto em Malta e Croácia só o fazem por volta dos 32 anos.

Segundo o relatório sobre "quando é que os jovens europeus deixam o ninho", hoje publicado pelo Eurostat, em 2017, os países onde os jovens mais cedo deixaram de viver com os pais foram três Estados-membros nórdicos -- Suécia (21 anos), Dinamarca (21,1) e Finlândia (21,9) -, seguidos do Luxemburgo (21,4).

Os países onde os jovens em média mais tempo continuaram a viver com os pais foram Malta (até aos 32,2 anos), Croácia (31,9), Eslováquia (30,8), Itália (30,1), Grécia (29,4), Espanha (29,3) e Portugal (29,2).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.