Portugal e a Califórnia "podem fazer muito juntos"

António Costa acredita que Portugal e a Califórnia, que todos os anos é atingida por incêndios de grande dimensão, podem ajudar-se no combate à chamas, ainda que a ajuda seja apenas tecnológica

As épocas de fogos sobrepõem-se tornando mais difícil a partilha de meios, mas na parte tecnológica a parceria pode dar frutos: "a ajuda mútua depende muito dos calendários, mas do ponto de vista tecnológico, no desenvolvimento de aplicações e mecanismos que nos permitam ter mais informação e mais cedo que nos permita melhor prevenção e posicionamento dos meios, essa é uma área onde podemos fazer muito em conjunto", disse aos jornalistas depois de um encontro com a CalFire, o Departamento Florestal e de Proteção de Incêndios da Califórnia.

Portugal, garante Costa, tem aprendido com a CalFire: "temos vindo ao longo do ano a ter contactos com o CalFire, de forma a reforçar as nossas competências. Em abril tivemos uma delegação da Proteção Civil. Estamos a ver como podemos trocar boas práticas e a aprender uns com os outros". O primeiro-ministro garante que as preocupações são iguais dos dois lados do Atlântico: "houve momentos da conversa em que verifiquei que as questões que eles colocam são as mesmas que discutimos em Portugal: como organizar e responder melhor", afirmou.

Costa admite que a melhoria do sistema de combate aos fogos em Portugal "é um processo. A Califórnia tem um modelo completamente diferente do nosso. O nosso assenta há décadas nos bombeiros voluntários e o caminho para a profissionalização e especialização, para a aproximação entre a prevenção e o combate é mais difícil do que o caminho de um país que desde o início assentou na profissionalização", argumentou.

O chefe de governo recorda no entanto que "apesar deste sistema altamente profissionalizado na California, não é por isso que não há fogos de grande dimensão, por vezes trágica".

Nos Estados Unidos

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.