Portugal e a Califórnia "podem fazer muito juntos"

António Costa acredita que Portugal e a Califórnia, que todos os anos é atingida por incêndios de grande dimensão, podem ajudar-se no combate à chamas, ainda que a ajuda seja apenas tecnológica

As épocas de fogos sobrepõem-se tornando mais difícil a partilha de meios, mas na parte tecnológica a parceria pode dar frutos: "a ajuda mútua depende muito dos calendários, mas do ponto de vista tecnológico, no desenvolvimento de aplicações e mecanismos que nos permitam ter mais informação e mais cedo que nos permita melhor prevenção e posicionamento dos meios, essa é uma área onde podemos fazer muito em conjunto", disse aos jornalistas depois de um encontro com a CalFire, o Departamento Florestal e de Proteção de Incêndios da Califórnia.

Portugal, garante Costa, tem aprendido com a CalFire: "temos vindo ao longo do ano a ter contactos com o CalFire, de forma a reforçar as nossas competências. Em abril tivemos uma delegação da Proteção Civil. Estamos a ver como podemos trocar boas práticas e a aprender uns com os outros". O primeiro-ministro garante que as preocupações são iguais dos dois lados do Atlântico: "houve momentos da conversa em que verifiquei que as questões que eles colocam são as mesmas que discutimos em Portugal: como organizar e responder melhor", afirmou.

Costa admite que a melhoria do sistema de combate aos fogos em Portugal "é um processo. A Califórnia tem um modelo completamente diferente do nosso. O nosso assenta há décadas nos bombeiros voluntários e o caminho para a profissionalização e especialização, para a aproximação entre a prevenção e o combate é mais difícil do que o caminho de um país que desde o início assentou na profissionalização", argumentou.

O chefe de governo recorda no entanto que "apesar deste sistema altamente profissionalizado na California, não é por isso que não há fogos de grande dimensão, por vezes trágica".

Nos Estados Unidos

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.