Portugal e a Califórnia "podem fazer muito juntos"

António Costa acredita que Portugal e a Califórnia, que todos os anos é atingida por incêndios de grande dimensão, podem ajudar-se no combate à chamas, ainda que a ajuda seja apenas tecnológica

As épocas de fogos sobrepõem-se tornando mais difícil a partilha de meios, mas na parte tecnológica a parceria pode dar frutos: "a ajuda mútua depende muito dos calendários, mas do ponto de vista tecnológico, no desenvolvimento de aplicações e mecanismos que nos permitam ter mais informação e mais cedo que nos permita melhor prevenção e posicionamento dos meios, essa é uma área onde podemos fazer muito em conjunto", disse aos jornalistas depois de um encontro com a CalFire, o Departamento Florestal e de Proteção de Incêndios da Califórnia.

Portugal, garante Costa, tem aprendido com a CalFire: "temos vindo ao longo do ano a ter contactos com o CalFire, de forma a reforçar as nossas competências. Em abril tivemos uma delegação da Proteção Civil. Estamos a ver como podemos trocar boas práticas e a aprender uns com os outros". O primeiro-ministro garante que as preocupações são iguais dos dois lados do Atlântico: "houve momentos da conversa em que verifiquei que as questões que eles colocam são as mesmas que discutimos em Portugal: como organizar e responder melhor", afirmou.

Costa admite que a melhoria do sistema de combate aos fogos em Portugal "é um processo. A Califórnia tem um modelo completamente diferente do nosso. O nosso assenta há décadas nos bombeiros voluntários e o caminho para a profissionalização e especialização, para a aproximação entre a prevenção e o combate é mais difícil do que o caminho de um país que desde o início assentou na profissionalização", argumentou.

O chefe de governo recorda no entanto que "apesar deste sistema altamente profissionalizado na California, não é por isso que não há fogos de grande dimensão, por vezes trágica".

Nos Estados Unidos

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.